Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 09 de novembro de 2018.
Dia do Hoteleiro.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Consumo

Edição impressa de 09/11/2018. Alterada em 08/11 às 22h02min

Dia do Solteiro chinês lidera vendas on-line no mundo

Gaúchos ainda aproveitam pouco as ofertas nos sites chineses na data

Gaúchos ainda aproveitam pouco as ofertas nos sites chineses na data


/MARIANA CARLESSO/JC
Pedro Carrizo

Ainda pouco conhecido no Rio Grande do Sul quando comparado a Black Friday, o Dia do Solteiro chinês, celebração oriental voltada ao e-commerce, que acontece no domingo, é a data que mais registra vendas on-line no mundo. "O que estava por US$ 10 passou a custar US$ 6, então na hora da conversão foi bem vantajoso", diz a estudante de psicologia Vitoria Moraes, que usou a celebração para comprar roupas e casacos de inverno. "Nunca tive problemas com a entrega", acrescenta.

Enquanto o Dia do Solteiro movimentou US$ 25,3 bilhões em 24 horas do ano passado, as vendas on-line da Black Friday nos Estados Unidos, segundo a Adobe, foram de US$ 5 bilhões. "Mesmo sendo efetivos os descontos da Black Friday, eles não chegam nem perto da celebração chinesa, onde a queda de preços é muito violenta", considera José Roberto Resende, vice-presidente de marketing da Câmara de Dirigentes e Lojistas de Porto Alegre (CDL Poa).

"Mesmo pagando imposto quando chega ao Brasil, o produto sai muito mais barato. Acompanho o preço de eletrônicos tanto em sites chineses quanto em brasileiros, por isso eu sei que a Black Friday não representa o valor mais baixo em relação a uma média anual", contrapõe o analista de sistemas Vinicius Petrolli, que está em busca de novo aparelho celular no Dia do Solteiro deste ano. Petrolli acrescenta que os sites de venda chineses dispõem de muitas marcas de smartphones que não chegam ao Brasil, como Huawei, Xiaomi e Vivo Nex.

Entre os principais sites no Dia do Solteiro está o AliExpress, pertencente ao Grupo Alibaba, empresa chinesa de tecnologia que fundou a celebração em 2009, e, atualmente, está entre as maiores no segmento de vendas on-line. Neste dia, as promoções agressivas e o constante uso de Big Data para traçar perfis consumidores e realizar propostas diretas aos consumidores são os responsáveis para os números extravagantes.

Mas, se possui maiores descontos e diversidade de marcas, por que o Dia do Solteiro não é popular no Rio Grande do Sul enquanto a Black Friday já virou febre? "Porque as empresas e práticas norte-americanas se globalizam muito rápido. É uma prática cultural. Enquanto isso, as empresas chinesas são voltadas para o mercado interno daquele país, que é de 1,4 bilhão de pessoas", responde Resende. Por causa dessa falta de globalização chinesa chega muito pouca coisa sobre essas promoções, considera o vice-presidente de marketing da CDL Poa.

O Made in China 2025, um ambicioso plano estratégico que visa transformar o país mais populoso do mundo, atualmente conhecido como "fábrica do mundo", em "centro tecnológico do mundo" tende a mudar a realidade de um China não globalizada. "As empresas orientais vão ocupar mais espaço no mercado mundial nos próximos sete anos. Por isso, o Dia do Solteiro ainda vai crescer bastante na nossa região", conclui Resende.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia