Porto Alegre, sábado, 14 de março de 2020.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Mercado Financeiro

25/10/2018 - 19h41min. Alterada em 25/10 às 19h41min

Bolsas de Nova Iorque fecham em alta com correção e apoiadas por balanços

Depois da forte queda de quarta-feira (24) que levou o Dow Jones e o S&P 500 a apagarem os ganhos do ano e o Nasdaq a entrar em território de correção técnica, os principais índices acionários nova-iorquinos encerraram o pregão desta quinta-feira, 25, em alta, em um movimento de correção apoiado pela divulgação de balanços corporativos.
Depois da forte queda de quarta-feira (24) que levou o Dow Jones e o S&P 500 a apagarem os ganhos do ano e o Nasdaq a entrar em território de correção técnica, os principais índices acionários nova-iorquinos encerraram o pregão desta quinta-feira, 25, em alta, em um movimento de correção apoiado pela divulgação de balanços corporativos.
O Dow Jones registrou alta de 1,63%, aos 24.984,55 pontos, enquanto o S&P 500 subiu 1,86%, aos 2.705,57 pontos, e o Nasdaq avançou 2,95%, aos 7.318,34 pontos.
A volatilidade voltou a marcar os mercados acionários nesta quinta, com o índice de volatilidade VIX mais uma vez acima da marca de 20 pontos, aos 24,22 pontos, apesar da queda de 4,0%, diante da forte alta dos principais índices nova-iorquinos.
Analistas do UBS apontam, ainda, que o crescimento dos lucros no terceiro trimestre em solo americano será sólido, com alta de 23,0% a 24,0% nos lucros do S&P 500, impulsionados por uma "atividade doméstica saudável". Da mesma forma, o Citi afirma "alguma volatilidade nos mercados é provável até dezembro", mas espera um trimestre de fortes ganhos à frente.
Nesse cenário, as encomendas de bens duráveis nos Estados Unidos cresceram 0,8% em setembro na comparação mensal, contrariando a previsão de queda de 1,7% de analistas. Sem a área de transportes, a demanda cresceu apenas 0,1%, ressaltando a força do setor. Com isso, e diante do balanço positivo divulgado pela Ford na quarta, as ações da empresa aceleraram 9,90%, enquanto as da General Motors avançaram 4,71%.
Dos resultados trimestrais divulgados até o fechamento deste pregão, a maioria surpreendeu positivamente os investidores. Entre os mais expressivos, o Twitter registrou o maior ganho trimestral desde que a companhia passou a ser listada em bolsa e as ações fecharam com salto de 15,47%, dando fôlego às techs de forma generalizada, que esperavam por quatro balanços no after hours: Amazon, Snapchat, Alphabet e Intel.
Com isso, os papéis da Amazon subiram 7,09%, enquanto os da Microsoft ganharam 5,84%, depois do balanço divulgado na quarta após o fechamento. As ações da International Paper saltaram 10,25% e as da American Airlines avançaram 6,69% também depois de resultados positivos no terceiro trimestre.
Ainda assim, o UBS alerta que "as empresas americanas estão enfrentando alguns sinais de desaquecimento na economia global", o que poderia ser intensificado pela guerra tarifária. Sumário sobre as condições atuais da economia americana em cada um dos distritos do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), o Livro Bege divulgado na quarta traz relatos de empresários que aumentaram preços de bens finais devido à elevação nos custos de insumos graças ao impacto das tarifas.
Investidores aguardam, ainda, a divulgação da primeira leitura do Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro trimestre dos EUA nesta sexta-feira. Analistas esperam que o indicador mostre desaceleração, mas permaneça forte.