Porto Alegre, sábado, 14 de março de 2020.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

mercado financeiro

19/10/2018 - 10h11min. Alterada em 19/10 às 10h11min

Dólar cai com força de moedas emergentes e sinais de estímulo chinês após PIB

O dólar opera em baixa ante o real desde os primeiros negócios desta sexta-feira (19). Às 9h48min desta sexta-feira (19), o dólar à vista caía 0,43%, a R$ 3,7118. O dólar futuro de novembro recuava 0,30%, a R$ 3,7140. O real brasileiro se beneficia do fortalecimento de moedas emergentes e ligadas a commodities na esteira do avanço do yuan. A moeda chinesa se recuperou após perdas registradas durante a madrugada à medida que autoridades de Pequim se esforçaram de maneira coordenada para tranquilizar investidores após o anúncio de crescimento econômico abaixo do esperado. 
O dólar opera em baixa ante o real desde os primeiros negócios desta sexta-feira (19). Às 9h48min desta sexta-feira (19), o dólar à vista caía 0,43%, a R$ 3,7118. O dólar futuro de novembro recuava 0,30%, a R$ 3,7140. O real brasileiro se beneficia do fortalecimento de moedas emergentes e ligadas a commodities na esteira do avanço do yuan. A moeda chinesa se recuperou após perdas registradas durante a madrugada à medida que autoridades de Pequim se esforçaram de maneira coordenada para tranquilizar investidores após o anúncio de crescimento econômico abaixo do esperado. 
O Produto Interno Bruto (PIB) chinês teve expansão anual de 6,5% no terceiro trimestre, um pouco abaixo das expectativas (6,6%) e no ritmo mais fraco desde o início de 2009. O banco DBS prevê que o país asiático manterá uma política monetária acomodatícia e também que, se todas as importações chinesas passarem a ser tarifadas pelos EUA, "Pequim terá de responder com uma substancial realavancagem da economia".
As atenções dos investidores locais seguem ainda nos nomes para o primeiro escalão e prioridades da agenda econômica do futuro governo do Brasil. A vantagem de 18 pontos para Jair Bolsonaro (PSL) em relação a Fernando Haddad (PT) na pesquisa Datafolha, divulgada na noite dessa quinta-feira (18), só reforça a aposta na possível vitória do capitão reformado, que foi inclusive amplamente precificada nos ativos financeiros, segundo operadores do mercado. Na pesquisa, Bolsonaro tem 59% dos votos válidos, contra 41% de Haddad.