Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 19 de outubro de 2018.
Dia do Profissional de Informática. Dia da Inovação.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Edição impressa de 19/10/2018. Alterada em 19/10 às 01h00min

Aumento da oferta de NTN-F será gradual, diz Tesouro

Depois de quadruplicar a oferta de papéis de longo prazo no leilão desta quinta-feira (18), o subsecretário do Tesouro Nacional, José Franco de Morais, informou que o retorno a lotes maiores de NTN-F será gradual. O Tesouro substituiu nesta quinta-feira as ofertas fixas de 100 mil pela de 400 mil.
"É um retorno gradual à situação de nova normalidade. É claro que tem um ajuste fino, porque o Tesouro atua sempre de acordo com as condições de mercado", disse Franco. Segundo o subsecretário, o humor do mercado e as incertezas no mercado externo e doméstico diminuíram esta semana, o que permitiu o aumento da oferta.
De acordo com Franco, o Tesouro permanece atento à condição do mercado e age com maior cuidado para que não haja pressão desnecessária. Ele descartou a volta aos volumes de oferta de NTN-F NP primeiro trimestre do ano de 1,5 milhão de títulos.
No primeiro trimestre, o mercado estava bastante otimista e comprador de títulos de longo prazo, com o Tesouro vendendo volumes elevados de NTN-F. Mas em meados de maio, houve uma reversão de expectativas do mercado. Câmbio e taxa de juros foram impactados, o que levou o Tesouro a colocar um pé no freio, reduzindo o tamanho dos lotes, primeiramente de NTN-F, e depois de LTN e NTN-B. O diagnóstico foi de que o nível de risco do mercado estava muito alto e o Tesouro acabou fazendo uma recompra líquida de papéis de R$ 20 bilhões.
Nas últimas semanas, a situação começou a melhorar tanto no mercado doméstico como externo. Turquia e Colômbia fizeram, na semana passada, emissões externas depois de um período de fechamento do mercado para novas emissões.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia