Porto Alegre, sábado, 14 de março de 2020.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

mercado de capitais

16/10/2018 - 13h39min. Alterada em 16/10 às 01h00min

Dólar cai 1% com eleições e notícias externas mais amenas

O dólar operou em queda durante toda a segunda-feira em uma mescla de bom humor do mercado em relação às eleições e ajudado por um ambiente externo menos agitado do que na semana passada, com a moeda americana caindo perante as principais moedas globais. Após ter tocado os R$ 3,71 no meio da tarde, o dólar fechou com um recuo de 1,01% frente ao real, aos R$ 3,7383.
O dólar operou em queda durante toda a segunda-feira em uma mescla de bom humor do mercado em relação às eleições e ajudado por um ambiente externo menos agitado do que na semana passada, com a moeda americana caindo perante as principais moedas globais. Após ter tocado os R$ 3,71 no meio da tarde, o dólar fechou com um recuo de 1,01% frente ao real, aos R$ 3,7383.
O mercado operou na expectativa de que a pesquisa Ibope/Estado/TV Globo, que seria divulgada depois do fechamento do pregão, trouxesse um avanço do candidato Jair Bolsonaro (PSL) sobre o petista Fernando Haddad - a pesquisa coloca o candidato Bolsonaro 18 pontos à frente de Haddad.
Ao longo do processo eleitoral, o mercado se aproximou de Bolsonaro por acreditar que o capitão reformado tem um viés mais reformista que o do candidato petista. Tanto que, após o primeiro turno, que trouxe o nome do PSL na frente, os ativos brasileiros tiveram dias de euforia.
"A perspectiva de que o candidato Bolsonaro amplie a vantagem que tem sobre o Haddad deu um ânimo ao mercado. E o lado externo sossegado deu o tom para essa queda (do dólar)", aponta o gerente de câmbio da Treviso Corretora, Reginaldo Galhardo.
Depois de três pregões consecutivos sem subir, o Índice Bovespa encontrou espaço para alta, apoiado em ajustes pós-feriado e pelo noticiário corporativo, em meio ao clima ameno no cenário eleitoral. O índice terminou o dia de ontem aos 83.359 pontos, com ganho de 0,53%.
.