Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 11 de outubro de 2018.
Dia Internacional do Combate à Obesidade.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

crédito

Alterada em 11/10 às 10h55min

Inadimplentes permanecem em 62,4 milhões em setembro, dizem CNDL e SPC

Estadão Conteúdo
O número de brasileiros com alguma conta em atraso ficou estagnado em 62,4 milhões, equivalente a 40,6% da população adulta, na passagem de agosto para setembro. Na comparação com setembro do ano passado, o total de brasileiros inadimplentes subiu 3,9%, conforme levantamento da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), em parceria com o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC).
Segundo o presidente da CNDL, José Cesar da Costa, o desemprego elevado e a renda ainda abaixo dos patamares anteriores à crise seguem prejudicando a capacidade de pagamento dos consumidores. "Esse quadro só deve ser revertido com a melhora do mercado de trabalho, o que exige por sua vez uma recuperação econômica mais vigorosa", diz o executivo, ao comentar o resultado do levantamento.
O balanço abrange desde dívidas bancárias - como faturas atrasadas de cartão de crédito e empréstimos bancários não pagos - a crediários abertos no comércio e dívidas com empresas que prestam serviços de telefonia, TV por assinatura e internet. Na comparação com setembro de 2017, as dívidas bancárias - entre cartão de crédito, cheque especial e empréstimos - subiram 8,5% no mês passado, a alta mais expressiva.
Já o número de brasileiros que atrasaram pagamento de crediários no comércio mostrou queda de 6,1%. Nas contas de serviços básicos, como água e luz, houve queda de 1,1% no total de consumidores em atraso.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia