Porto Alegre, sábado, 14 de março de 2020.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Construção civil

19/09/2018 - 15h57min. Alterada em 19/09 às 18h37min

Shopping Belvedere recebe licença prévia para detalhar complexo em Porto Alegre

Complexo Belvedere é projeto há mais de 20 anos para ser instalado próximo ao Jardim Botânico

Complexo Belvedere é projeto há mais de 20 anos para ser instalado próximo ao Jardim Botânico


PONTO PRONTO/DIVULGAÇÃO/JC
O Shopping Belvedere, que vai compor um dos maiores complexos imobiliários na zona leste de Porto Alegre, obteve a licença prévia (LP), emitida pela Secretaria Municipal do Meio Ambiente e da Sustentabilidade (Smams), segundo anúncio nesta quarta-feira (19). O empreendimento terá ainda uma torre comercial e um hipermercado da rede Zaffari. 
O Shopping Belvedere, que vai compor um dos maiores complexos imobiliários na zona leste de Porto Alegre, obteve a licença prévia (LP), emitida pela Secretaria Municipal do Meio Ambiente e da Sustentabilidade (Smams), segundo anúncio nesta quarta-feira (19). O empreendimento terá ainda uma torre comercial e um hipermercado da rede Zaffari. 
O complexo será construído na avenida Senador Tarso Dutra, 500, no bairro Petrópolis, e envolve investimentos que ultrapassa R$ 850 milhões em área construída. A LP envolve conceitos de concepção e localização do projeto. Para começar a construir, os incorporadores precisam encaminhar detalhamento de projetos e estudos de execução para obter a licença de instalação (LI).
Segundo a Smans, a licença emitida tem validade de dois anos e define requisitos e restrições para o impacto ambiental, desde vegetação, poluição atmosférica, fauna silvestre, emissões sonoras, serviços de carga e descarga, poluição hídrica, resíduos sólidos, movimentação de terras, drenagem superficial e contenções, além de hidrogeologia.
A proposta do shopping já tramitava havia cerca de 20 anos no município, informou a Smans. Na atual gestão, foram emitidas licenças para instalação de outros complexos, como o do Cais do Porto, com obras ainda indefinidas no Centro Histórico, e o Pontal do Estaleiro, na orla do Guaíba.