Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 18 de setembro de 2018.
Dia Nacional da Televisão.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Turismo

Edição impressa de 17/09/2018. Alterada em 18/09 às 11h54min

Portugal é destino para empreendedores brasileiros

O carioca Fabiano de Abreu está investindo em um pequeno alojamento na cidade de Castelo de Paiva

O carioca Fabiano de Abreu está investindo em um pequeno alojamento na cidade de Castelo de Paiva


/ARQUIVO PESSOAL/DIVULGAÇÃO/JC
Adriana Lampert
Dos cinco tipos de negócios mais rentáveis para se montar em Portugal, todos são ligados ao turismo: hotéis, bares, restaurantes, atrativos do segmento rural e promoção de passeios. Considerado um dos melhores destinos do mundo para se empreender no setor, o país europeu tem atraído muitos brasileiros descendentes e filhos de portugueses que, para fugir da crise, têm desembarcado em regiões como Algarve, muito procurada por turistas - devido ao clima mais quente e à beleza de suas praias - para investir em alojamento local, por exemplo. "Muitos brasileiros me procuram todos os dias, já atendi mais de 500 - alguns optam por abrir empresa, outros para investir em pousadas, hotéis ou turismo rural", calcula o despachante português Joaquim Moreira.
"Portugal é, atualmente, um dos principais destinos europeus, sendo que a cidade do Porto é considerada o melhor destino da Europa para se visitar", destaca Moreira. "A escolha de empreender no turismo aqui é, sem dúvida, um bom investimento, temos já diversos clientes que estão ganhando muito dinheiro no país." Também há espaço para quem consiga documento com dupla cidadania, a exemplo do ex-empresário carioca Marcelo Calvano, que tem nacionalidade brasileiro-italiana. "Cheguei há um mês, em pleno verão, para gerenciar um grande hotel de um brasileiro no Sul de Portugal. Já estou trabalhando, e muito, pois o alojamento está sempre com lotação esgotada."
Calvano era proprietário de uma agência de carros de luxo no Rio de Janeiro, mas abandonou a empresa em busca de qualidade de vida. "Não adianta ter milhões em bens que não vendem no Brasil", justifica, comentando que muitos de seus amigos estão investindo em Portugal. "Isso facilitou minha decisão." O carioca contou com a ajuda de Moreira para agilizar todos os procedimentos legais para se estabelecer no país, incluindo a moradia. "Minha empresa faz tudo, desde a consultoria até a implementação", explica o despachante. Segundo ele, o serviço inicia no mapeamento do melhor negócio adequado ao perfil do empreendedor que quer estabelecer uma empresa por lá. "Atuamos até deixar o negócio 100% pronto para se instalar e começar", garante.
A maioria dos investidores que estão chegando na Europa para abrir um negócio são pessoas com boa situação financeira, destaca o escritor, filósofo, jornalista e pesquisador Fabiano de Abreu. "Há uma lei naquele país que dá direito à moradia e à legalização de quem chega para investir com mais de € 500 mil. Isso facilita, uma vez que permanecer como imigrante é difícil em qualquer lugar do mundo." Filho de portugueses, Abreu também decidiu morar e investir em um hotel de pequeno porte em Castelo de Paiva, região Norte de Portugal. "Todas as cidades do país estão repletas de turistas. As pessoas querem conhecer cada canto, pois cada região tem sua história em particular - o que explica porque há vilas pequenas que recebem mais de 3 mil turistas por dia", justifica.

Projeto oferece empréstimo sem juros para quem tem cidadania

Alguns brasileiros que decidiram apostar suas fichas (e recursos financeiros) em um negócio em terras portuguesas estão "ganhando dinheiro", destaca o despachante português Joaquim Moreira. "Principalmente os que investiram em alojamento local em cidades que recebem um grande número de turistas."
Entre os investidores, há os que procuram programas do governo que oferecem facilidades para se conseguir crédito para investimento no turismo local. Há muitos meios de conseguir financiamento para abrir um negócio em Portugal caso o empreendedor tenha visto permanente ou cidadania. "Minha empresa resolve todas essas questões e dá um leque de opções para o investidor. Atualmente, não há como dar errado esse tipo de investimento em Portugal. Somos o foco do mundo em turismo", explica Moreira.
A atual conjuntura brasileira foi um dos principais motivos que levaram o jornalista e pesquisador Fabiano de Abreu a decidir mudar para Portugal e abrir um alojamento. "É algo muito rentável em Portugal, que recebe todos os anos muitos brasileiros, nórdicos, franceses", comenta. Por ser cidadão português, Abreu conseguiu ter acesso ao projeto Norte2020, o que lhe possibilitou um empréstimo (sem juros) que cobrirá metade dos recursos investidos em uma pousada, com poucos quartos. "Vou começar com algo pequeno, porque prefiro ir sentindo como é - estou muito confiante, acredito que tem tudo para dar certo."
A região escolhida por Abreu é conhecida pelo turismo rural, que ganha força no país. "As pequenas vilas - como Castelo de Paiva, Cinfães, Arouca, Amarante, entre outras - recebem turistas de toda parte", comenta Moreira. Segundo ele, a segurança, o modo conservador de vida, um clima de "Europa antiga" (sem os "vícios" do desenvolvimento das outras cidades europeias) são motivos pelos quais muitas pessoas buscam o destino, tanto para morar como para passear. "No caso dos brasileiros, acredito que muito do turismo se dá pelos descendentes, pelo idioma, e pelas belas praias que acabam parecendo com as do Brasil." O despachante afirma que muitos turistas brasileiros trocaram os Estados Unidos por Portugal, principalmente pela dificuldade maior em se obter visto para adentrar em terras norte-americanas.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia