Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 11 de setembro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Consumo

Edição impressa de 11/09/2018. Alterada em 11/09 às 01h00min

Endividamento dos gaúchos recua para 67,4% em agosto

Cartão de crédito é o principal meio de dívidas dos consumidores

Cartão de crédito é o principal meio de dívidas dos consumidores


/MARCELO G. RIBEIRO/JC

O indicador que mede o nível de endividamento dos gaúchos registrou queda em agosto deste ano com relação ao mesmo período do ano passado, ficando em 67,4%, contra 74,4% apurados em 2017, segundo Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) realizada pela Fecomércio-RS.

Segundo o presidente da Fecomércio-RS, Luiz Carlos Bohn, o resultado mantém o percentual de famílias gaúchas com dívidas em nível confortável, considerando que os demais indicadores da pesquisa estão historicamente baixos.

A parcela de renda comprometida com dívidas ficou estável em relação a julho de 2018, em 30,6%, e o tempo de comprometimento com dívidas apresentou leve recuo, para 7,1 meses. "O momento de queda na desocupação e a inflação baixa têm contribuído para uma situação melhor no endividamento das famílias", explica Bohn.

De acordo com a pesquisa, o cartão de crédito segue como principal meio de endividamento (87,8%), seguido por carnês (15,8%), crédito pessoal (12,9%) e financiamento de carro (12,1%).

O percentual de famílias com contas em atraso diminuiu significativamente. No mês de agosto, atingiu 19,8%, e, no mesmo período de 2017, apontava para 34,8%.

O percentual de gaúchos que não terão condições de honrar suas dívidas vencidas no prazo de 30 dias foi de 3,9%, o menor já apurado desde janeiro de 2014. No mesmo período de 2017, estava em 12,8%.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia