Porto Alegre, sábado, 14 de março de 2020.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Tecnologia

09/09/2018 - 22h07min. Alterada em 10/09 às 09h09min

Conectividade ainda é gargalo no campo

Acessos em tempo real agilizam tomada de decisão, diz Santos

Acessos em tempo real agilizam tomada de decisão, diz Santos


JOHN DEERE/DIVULGAÇÃO/JC
Patricia Knebel
Cerca de US$ 4 milhões por dia é o montante investido pela John Deere em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) para garantir o lançamento de soluções e serviços capazes de apoiar os clientes. Uma aposta que já se reflete em produtos como o JDLinkTM Connect e o Centro de Operações, plataforma de gerenciamento de dados on-line. O acesso amplo e irrestrito à internet, porém, ainda é um gargalo para novos projetos nessa área.
Cerca de US$ 4 milhões por dia é o montante investido pela John Deere em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) para garantir o lançamento de soluções e serviços capazes de apoiar os clientes. Uma aposta que já se reflete em produtos como o JDLinkTM Connect e o Centro de Operações, plataforma de gerenciamento de dados on-line. O acesso amplo e irrestrito à internet, porém, ainda é um gargalo para novos projetos nessa área.
"A falta de conectividade é um dos grandes problemas encontrados no campo, e isso está diretamente ligado ao futuro da agricultura no País", alerta o gerente de Marketing de Produto para Agricultura de Precisão da John Deere para América Latina, Felipe Santos. Estudo divulgado recentemente pela consultoria Berg Insight mostra que o mercado global de agricultura de precisão deve chegar a US$ 8 bilhões até 2022. "Temos nos esforçando para oferecer as ferramentas certas para ajudar o produtor a executar os trabalhos agrícolas no campo da maneira mais simples e com qualidade", destaca o gestor.
Jornal do Comércio - Quais são as novas tecnologias que estão sendo embarcadas nas máquinas agrícolas e como elas podem revolucionar o trabalho no campo?
Felipe Santos - Hoje uma máquina agrícola tem, muitas vezes, mais tecnologia do que automóveis de passeio. Investir em tecnologias como a de Internet das Coisas (IoT) e gestão dos dados significa estar preparado para o futuro da agricultura. Os produtores precisam cada vez mais da integração entre sistemas e do acesso em tempo real à internet para tomar as melhores decisões. Nos últimos 12 meses, por exemplo, trouxemos para o mercado brasileiro várias soluções para auxílio da execução do trabalho no campo. Um exemplo é o JDLinkTM Connect, solução de telemetria que coleta dados de performance da máquina e possibilita que o parceiro de confiança do produtor ou ele mesmo possa avaliar essas informações e tomar a decisão de mudar parâmetros da operação para otimizar sua performance, trabalhar mais hectares por dia, desgastar menos e consumir menos combustível. A geração e interpretação de dados é extremamente estratégica para o aumento da produtividade das lavouras. Onde há conectividade, o Centro de Operações (plataforma de gerenciamento de dados on-line lançada pela John Deere este ano), oferece a integração de informações agronômicas, de máquina e produção.
JC - Como ajudar os produtores rurais a usar esses dados de forma relevante?
Santos - O cruzamento de dados colhidos pelas máquinas durante o plantio, a aplicação de insumos e a colheita permite que o agricultor identifique oportunidades de melhorias, tudo de forma segura, centralizada e a distância. A gestão baseada na análise de dados é hoje a realidade de vários setores da economia e deve ser também a realidade da agricultura. Somente com isso, os agricultores poderão melhorar os resultados e produzir com mais eficiência. Entretanto, todo esse cenário está diretamente relacionado à conectividade.
JC - A qualidade da internet ainda é um gargalo para aumentar a adoção de novas tecnologias no campo?
Santos - Sim, a falta de conectividade é um dos grandes problemas encontrados no campo, e isso está diretamente ligado ao futuro da agricultura no País. A conectividade é fundamental para a tomada de decisões em tempo real, por meio da gestão baseada na análise de dados, que afeta diretamente os resultados das lavouras. E isso tudo só é possível por meio do acesso à internet. Para tentar ajudar o produtor rural brasileiro, a John Deere lançou recentemente, em parceria com a Trópico (empresa dedicada ao desenvolvimento, produção e distribuição de modernos equipamentos de telecomunicações) e o projeto Conectividade Rural. A iniciativa consiste na instalação de torres de transmissão de acordo com o perfil de cada produtor, que permitirão que ele esteja conectado à internet, mesmo em locais onde as operadoras de telefonia móvel não alcançam. Assim, levaremos acesso à internet aos produtores brasileiros, para que as tecnologias destinadas a melhorar a agricultura possam ser utilizadas em todo o seu potencial. Com o Conectividade Rural, conseguiremos conectar as áreas rurais do Brasil. Uma vez que eles tenham uma boa conexão à internet, poderão tomar decisões mais assertivas e em tempo real. Isso tudo é parte do trabalho de infraestrutura que a John Deere está se esforçando para termos as ferramentas certas para ajudar o produtor a executar os trabalhos agrícolas no campo da maneira mais simples e com qualidade.