Porto Alegre, sábado, 14 de março de 2020.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Conjuntura Internacional

27/08/2018 - 14h37min. Alterada em 27/08 às 14h37min

Acordo comercial entre EUA e México será submetido ao Congresso na sexta-feira

Donald Trump afirmou que acordo será muito bom para trabalhadores e cidadãos dos dois países

Donald Trump afirmou que acordo será muito bom para trabalhadores e cidadãos dos dois países


MANDEL NGAN/AFP/JC
O acordo bilateral entre Estados Unidos e México, anunciado hoje pelo presidente americano, Donald Trump, será submetido ao Congresso americano na sexta-feira (31). Agora, devem ser retomadas as conversas com o Canadá. "Foi uma negociação difícil e complicada, mas um bom trabalho foi feito", disse o presidente mexicano, Enrique Peña Nieto. Trump, por sua vez, afirmou que o acordo será muito bom para trabalhadores e cidadãos dos dois países.
O acordo bilateral entre Estados Unidos e México, anunciado hoje pelo presidente americano, Donald Trump, será submetido ao Congresso americano na sexta-feira (31). Agora, devem ser retomadas as conversas com o Canadá. "Foi uma negociação difícil e complicada, mas um bom trabalho foi feito", disse o presidente mexicano, Enrique Peña Nieto. Trump, por sua vez, afirmou que o acordo será muito bom para trabalhadores e cidadãos dos dois países.
O acordo revisa as regras para a construção de carros em todo o continente, com o objetivo de garantir que uma maior porção dos veículos seja fabricada na região, e mais aço produzido localmente seja usado.
O acordo também tem novas disposições destinadas a aumentar os salários e oferecer novos direitos aos sindicatos mexicanos. As medidas são destinadas a queixas dos críticos americanos ao Tratado Norte-Americano de Livre Comércio (Nafta, na sigla em inglês), que argumentam que os trabalhadores americanos foram prejudicados pela mão de obra mais barata do outro lado da fronteira.
Os EUA também afirmaram que o acordo reforçará os requisitos para produtos químicos, produtos derivados de aço e outros materiais industriais, além de promover medidas para fortalecer as regras que governam as cadeias de suprimento nas indústrias têxtil e de confecções.