Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 23 de agosto de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Trabalho

23/08/2018 - 15h00min. Alterada em 23/08 às 15h00min

Com dois votos a favor de terceirização irrestrita, julgamento é retomado no STF

Sessão desta quinta foi iniciada com o voto do ministro Alexandre de Moraes

Sessão desta quinta foi iniciada com o voto do ministro Alexandre de Moraes


NELSON JR. / SCO / STF/DIVULGAÇÃO/JC
Estadão Conteúdo
O Supremo Tribunal Federal (STF) retomou na tarde desta quinta-feira (23) o julgamento sobre terceirização irrestrita, que já conta com dois votos a favor de as empresas poderem terceirizar todas as atividades, inclusive as chamadas atividades-fim. As posições são dos ministros Luís Roberto Barroso e Luiz Fux, relatores das duas ações em julgamento na Corte, e os únicos a se pronunciar até o momento sobre o mérito dos processos. A sessão desta quinta foi iniciada com o voto do ministro Alexandre de Moraes.
As ações analisadas contestam decisões da Justiça do Trabalho contrárias à terceirização de atividade-fim, baseadas na Súmula 331 do Tribunal Superior do Trabalho (TST). Os processos foram apresentados no STF antes das alterações legislativas de 2017, quando foram sancionadas leis (Lei da Terceirização e Reforma Trabalhista) que autorizam a terceirização irrestrita.
Primeiro a se posicionar, na sessão de quarta-feira (22), Barroso fez um voto enfático pela terceirização irrestrita, destacando a modernização do mundo do trabalho. "É lícita a terceirização de toda e qualquer atividade meio ou fim, não se configurando relação de emprego entre a contratante e o empregado da contratada", assinalou o ministro ao final do voto.
Barroso rebateu os argumentos de que a terceirização gera precarização do trabalho, lembrando que os empregados nesta condição têm direitos trabalhistas a ser respeitados. "No direito do trabalho, a liberdade de contratar é rigidamente limitada pela Constituição. Com ou sem terceirização, há direitos mínimos dos trabalhadores a serem respeitados", assinalou.
Segundo a votar, o ministro Luiz Fux é relator do recurso com repercussão geral sobre o tema, e que deve impactar quase 4 mil processos trabalhistas suspensos aguardando a palavra do STF. "É lícita a terceirização ou qualquer outra forma de divisão do trabalho entre pessoas jurídicas distintas, independentemente do objeto social das empresas envolvidas", afirmou o ministro.
Para Fux, a dicotomia entre atividade-fim e meio é "imprecisa, artificial" e ignora a dinâmica econômica moderna, caracterizada pela "especialização e divisão de tarefas com vista a maior eficiência possível".
Na semana passada, o plenário foi usado para as sustentações orais das partes dos processos. Uma das ações, relatada por Barroso, foi proposta pela Associação Brasileira do Agronegócio (Abag), que questiona decisões trabalhistas que restringem a terceirização, com base na Súmula 331 do TST. O outro processo é um recurso da Celulose Nipo Brasileira S/A - Cenibra contra acórdão da 8ª Turma do TST que manteve decisão do Tribunal Regional do Trabalho de Minas Gerais (TRT-MG), cuja posição foi pela ilicitude da terceirização da atividade-fim.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Roger Dutra 23/08/2018 16h50min
Qual o sentido de uma empresa existir se ela terceiriza a atividade fim?