Porto Alegre, sábado, 14 de março de 2020.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Conjuntura

19/08/2018 - 22h14min. Alterada em 19/08 às 22h13min

Presidente do Bradesco defende reformas

Banco deve incentivar agronegócios, afirma Octavio de Lazari Junior

Banco deve incentivar agronegócios, afirma Octavio de Lazari Junior


/MARIANA CARLESSO/JC
Jefferson Klein
Em um cenário eleitoral ainda nebuloso, com candidatos com propostas políticas distintas, as incertezas rondam a economia brasileira. No entanto, para o presidente do Bradesco, Octavio de Lazari Junior, uma previsão que pode ser feita, não importando quem seja eleito o novo presidente da República, é que as reformas da Previdência e fiscal e uma simplificação tributária serão realizadas.
Em um cenário eleitoral ainda nebuloso, com candidatos com propostas políticas distintas, as incertezas rondam a economia brasileira. No entanto, para o presidente do Bradesco, Octavio de Lazari Junior, uma previsão que pode ser feita, não importando quem seja eleito o novo presidente da República, é que as reformas da Previdência e fiscal e uma simplificação tributária serão realizadas.
Jornal do Comércio - A eleição está afetando muito a economia nacional neste momento. O que esperar para depois do processo eleitoral?
Octavio de Lazari Junior - Tenho convicção que, independentemente do candidato que seja o vencedor das eleições, as pautas de mudanças, de reformas, de ajustes que têm que ser feitos no País - seja na Previdência, fiscal ou na simplificação tributária - estão dadas. Acho que essas reformas serão implementadas. Não precisamos crescer 5%, 6%, 7% ao ano, não é isso. É um crescimento sustentável, de longo prazo.
JC - E as reformas serão feitas, não importando o presidente que seja eleito?
Lazari Junior - Não tenho dúvida, porque o Brasil precisa disso. Talvez só varie o tempo.
JC - Uma meta da sua gestão é aumentar a digitalização das operações do Bradesco. Como está essa iniciativa?
Lazari Junior - Está crescendo bastante. Hoje, 96% das transações do banco são feitas via canais digitais. Há espaço para crescer, principalmente, no que concerne àquele atendimento que o cliente precisa fazer para resolver uma situação, fazer um empréstimo, um crédito imobiliário, financiar um veículo no próprio celular. Isso vem evoluindo tanto no Bradesco e agora, sobretudo, com o Next, que é o nosso banco digital que oferece todas essas alternativas.
JC - O que o banco projeta de incremento para este ano?
Lazari Junior - Durante este ano, nosso dado é de ter um crescimento ao redor do que fechamos no primeiro semestre, cerca de 18,5% sobre o PL (Patrimônio Líquido), e buscar um crescimento da carteira de crédito, que é o que de fato faz os bancos apresentarem um resultado mais adequado. É por isso que a gente busca que a economia do País volte, mesmo que seja devagar.
JC - O Bradesco participará da Expointer 2018?
Lazari Junior - Estaremos lá, como sempre, com o nosso estande e o nosso pessoal.
JC - Serão apresentadas condições especiais durante o evento?
Lazari Junior - Sim, tanto em taxas de juros do banco quanto nas linhas que temos de repasse do Bndes.
JC - Qual é a representação do agronegócio para o Bradesco?
Lazari Junior - Hoje, deve representar na carteira de crédito total do banco algo como 10% a 12%. É difícil estipular uma meta (de crescimento do segmento), porque parece que meta é um ponto final. Não temos um objetivo fixo, o que tiver de agronegócio, vamos fazer. Na parte de financiamento, de custeio, aquisição de terras, desenvolvimento de novas plantas e culturas, estamos dispostos, pois existe funding (captação de recursos para investimento) suficiente para fazer. O agronegócio representa 44% da pauta de exportações do Brasil, então é um negócio que temos que incentivar mais.