Porto Alegre, sábado, 14 de março de 2020.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Inovação

20/08/2018 - 01h06min. Alterada em 20/08 às 01h00min

Pipefy apoia gestão de processos corporativos

Plataforma permite reação rápida às mudanças, afirma Alionço

Plataforma permite reação rápida às mudanças, afirma Alionço


/EDUARDO MACARIOS/DIVULGAÇÃO/JC
Ajudar as empresas a gerenciar os seus processos diários de forma simples e ágil é um negócio de bilhões. Mais de US$ 7 bilhões é o tamanho do mercado global de gestão de processos, devendo chegar, em 2024, a mais de US$ 23 bilhões, de acordo com a Grand View Research.
Ajudar as empresas a gerenciar os seus processos diários de forma simples e ágil é um negócio de bilhões. Mais de US$ 7 bilhões é o tamanho do mercado global de gestão de processos, devendo chegar, em 2024, a mais de US$ 23 bilhões, de acordo com a Grand View Research.
De olho nesse nicho, a Pipefy, startup de gerenciamento de processos eficientes, aposta na criação de métodos efetivos para organizar e estruturar tarefas dentro de uma corporação. A solução de Software as a Service (SaaS) permite aos gerentes de operações de negócios aplicar rapidamente novos processos sem depender da área de Tecnologia da Informação (TI) para implementá-los.
O fundador e CEO da Pipefy, Alessio Alionço, relembra que começou o projeto quando percebeu que a equipe de tecnologia era, muitas vezes, um empecilho para agilizar processos rotineiros dentro das empresas. "A nossa plataforma permite que cada gestor dentro de uma organização crie seus próprios fluxos de trabalho customizados, sem a necessidade de possuir conhecimento em programação. Ao possibilitar o gerenciamento ágil de processos, nossos clientes podem reagir a um ambiente de mudanças rápidas", explica.
Segundo ele, algumas funcionalidades tornam essa solução disruptiva, como o fato de focar na usabilidade, o que proporciona rapidez na curva de aprendizagem dos clientes. Além disso, é uma ferramenta no-code, ou seja, não precisa de times de desenvolvimento para fazer o Pipefy operar na empresa. "Em apenas duas horas, é possível modelar um bom processo dentro do Pipefy. Em média, nossos clientes começam a rodar suas operações em, aproximadamente, duas semanas", conta.
A precificação do Pipefy é uma licença mensal baseada em nível de uso da plataforma. São três planos: Small (gratuito), Professional (US$ 9) e Business (US$ 18). Atualmente, a solução da startup já é usada em 150 países - mais precisamente, em 15 mil empresas, que vão de negócios como uma fábrica de bicicletas, na República Tcheca, até grandes companhias, como Wipro, IBM e Santander. Uma das sedes da companhia fica em São Francisco (EUA), e a outra, no Brasil. Entre os clientes estão IBM, Accenture, Wipro, Ab Inbev, Visa, Santander.
Em março deste ano, a Pipefy recebeu US$ 16 milhões em sua rodada de investimentos Série A, encabeçada pela OpenView Partners, firma de venture capital focada em empresas em fase de expansão, além da Trinity Ventures. A Redpoint Ventures e a Valor Capital, que já haviam investido na plataforma, também participaram da rodada. Outros investidores da companhia são a 500 Startups e os fundadores da Zendesk, Morten Primdahl e Alexander Aghassipour.
A empresa tem 114 funcionários, e a ideia é dobrar esse número até o final do ano. A meta para o futuro é melhorar a plataforma para promover uma melhor experiência para o cliente.

Nextel cria canal com startups em parceria com a StartSe

A Nextel acaba de firmar uma parceria com a plataforma StartSe para recrutar startups que possam contribuir com os projetos de melhoria da qualidade dos serviços prestados pela operadora de telefonia. Poderão participar do programa Next Challenge empresas que possuam um Produto Mínimo Viável (MVP) desenvolvido e validado ou que tenham produtos ou serviços já disponíveis no mercado.

Os dois primeiros desafios lançados na plataforma relacionam-se à logística. O primeiro pretende viabilizar o processo de entrega de chip em apenas uma hora, inclusive em áreas remotas e de risco. O segundo é a criação de um sistema de rastreamento on-line de entregas com dinâmica similar à dos aplicativos de mobilidade urbana, que permita que tanto a operadora quanto o cliente tenham informações em tempo real sobre a localização do pedido. As inscrições estarão abertas até o dia 8 de setembro e podem ser feitas na plataforma StartSe.

Após o encerramento das inscrições, serão divulgadas as startups selecionadas para o Pitch Day, no dia 25 de setembro. Os projetos selecionados serão anunciados entre os dias 26 e 30 de setembro.