Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 16 de agosto de 2018.
Dia do Filósofo.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado de Capitais

Edição impressa de 16/08/2018. Alterada em 16/08 às 01h00min

Milionários do País atingem marca de R$ 1 trilhão em investimentos

Agência O Globo
Os milionários que possuem recursos investidos no Brasil e são atendidos pelo segmento chamado de "private banking" alcançaram a marca de R$ 1 trilhão em aplicações pela primeira vez na história. Segundo dados divulgados pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capital (Anbima), o crescimento desses investimentos foi de 4,2% no acumulado do ano.
Já o número de grupos econômicos atendidos, muitas vezes famílias que deixam os recursos sob gestão da mesma instituição financeira, teve um crescimento menos expressivo, de apenas 0,7%, para 57.546 - ou R$ 17,43 milhões por família. "O segmento de private depende da economia pujante, e estamos em um ano de poucos IPOs (Oferta Inicial de Ações, na sigla em inglês) e pouca atividade de fusões e aquisições, então os grupos econômicos crescem pouco. Em época de vacas magras, a captura do cliente muda um pouco", diz João Albino, presidente do comitê de private banking da Anbima.
A Anbima também divulgou o desempenho das demais categorias de investidores. No varejo tradicional, o total de investimentos chegava a R$ 919,4 bilhões em junho, alta de 0,4% na comparação com dezembro. Na alta renda (em geral, público com salário mensal acima de R$ 10 mil), o estoque de aplicações chegou a R$ 821,5 bilhões, crescimento de 5,6%. Ainda assim, houve um número expressivo na redução no número de contas, puxada pelo encerramento das aplicações em cadernetas de poupança.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia