Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 16 de agosto de 2018.
Dia do Filósofo.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Comércio Exterior

Edição impressa de 16/08/2018. Alterada em 16/08 às 01h00min

CNI quer ampliar parceria entre o Brasil e o Paraguai

Corrente de negócios entre os dois países até julho soma US$ 2,2 bi

Corrente de negócios entre os dois países até julho soma US$ 2,2 bi


/TECON RIO GRANDE/DIVULGAÇÃO/JC
Agência Brasil
A Confederação Nacional da Indústria (CNI) quer aumentar a agenda bilateral de acordos com o novo governo do Paraguai sob o comando do presidente eleito Mario Abdo Benítez, empossado ontem. Para os empresários, é preciso avançar na desburocratização e melhoria do ambiente de negócios. A disposição é negociar a dupla tributação.
A dupla tributação reduzirá a carga tributária para operações relacionadas a investimentos e de comércio de serviços e elevará a segurança jurídica e a competitividade das operações de empresas paraguaias e brasileiras.
Os impactos positivos do eventual acordo alcançariam operações envolvendo pagamentos de serviços e royalties, os quais são fundamentais na agregação ao comércio bilateral de manufaturas. Conforme a entidade, a medida vai contribuir para a facilitação tanto de negócios e investimentos que estão em curso quanto futuros. No âmbito do Mercosul, o Brasil possui esse acordo somente com a Argentina.
"O Brasil é o principal parceiro comercial do Paraguai e maior investidor no país. Com o novo governo, a indústria defende a continuidade na agenda de desburocratização e de melhoria de negócios, mas entende que é preciso avançar também em pautas pendentes. A principal delas é o da dupla tributação", disse o diretor de Desenvolvimento Industrial da CNI, Carlos Abijaodi.
Segundo dados de 2017, a corrente de comércio entre Brasil e Paraguai foi em torno de
US$ 3,78 bilhões. De janeiro a julho de 2018, a corrente de comércio chegou a US$ 2,2 bilhões, alta de 5,7% em relação ao mesmo período do ano passado.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Francisco Berta Canibal 16/08/2018 07h27min
O Paraguai é a nova China, quando se classifica um País, com seus sucessos economicos de momento, mas o Brasil programando parcerias com um País que é hoje aberto ao investimento, e nosso País continua sendo um dos mais fechados do Mundo, já se tem um resultado, ganha muito o Paraguai, em termos de tributação, empregos, entrada de capital tanto brasileiro como de outras origens e a República das Bananas mantendo este crescimento pífio de sua economia.......assim foi com o Uruguai....