Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 10 de agosto de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

10/08/2018 - 18h52min. Alterada em 10/08 às 18h52min

Ibovespa perde 2,86% e encerra pregão aos 76.514,35 pontos

Estadão Conteúdo
O humor no exterior azedou com a crise na Turquia e a Bolsa brasileira sucumbiu em meio ao ambiente de cautela que já havia se instalado por causa das incertezas eleitorais. O Ibovespa passou o dia em queda e, durante o pregão, perdeu pouco mais de dois mil pontos tocando nos 76.043 pontos, na mínima intraday.
O principal índice do mercado de ações do País encerrou a sessão de negócios com perdas de 2,86%, aos 76.514,35 mil pontos. O giro financeiro foi alto em relação à média do mês e chegou a R$ 12,5 bilhões. Na semana, a queda acumulada chegou a 6,04% e, no mês, 3,42%.
A título de comparação, em Wall Street, o efeito negativo foi bem mais comedido com os três principais índices encerrando com quedas inferiores a 1%. Desde cedo a tensão veio de fora, com a crise da moeda turca e o temor da exposição de bancos europeus, como da Espanha, Itália e França ao quadro, o que mexeu negativamente com o mercado acionário e cambial naquela região. Prevaleceram ainda preocupações com tarifações e retaliações na área comercial internacional, mas as sanções impostas pelos EUA contra o Irã, Rússia e Turquia ganharam atenção. Investidores ficaram assustados.
"A Turquia é um dos países emergentes no qual os grandes fundos alocam capital. No caso de um problema, a aversão acaba se espalhando e contagia nosso mercado, que também faz parte dos emergentes", complementa Ariosvaldo dos Santos, da corretora H Commcor.
Por aqui, a queda na Bolsa foi generalizada, entretanto, com ênfase nos papéis do bloco financeiro. As ações ordinárias do Banco do Brasil fecharam com perdas de 5,51%, seguidas por Bradesco PN (-4,98%), Itaú Unibanco (-3,63%) e as Units do Santander (-3,90%).
As incertezas no âmbito da corrida eleitoral permanecem, embora hoje tenham sido relegadas ao segundo plano. De acordo com o cientista político André Pereira César, o primeiro debate com os presidenciáveis ontem foi morno. "Um empate coletivo resume a noite", escreveu em relatório a clientes.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia