Porto Alegre, sábado, 14 de março de 2020.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Combustíveis

01/08/2018 - 01h07min. Alterada em 01/08 às 01h00min

Governo vai subsidiar diesel até o fim do ano

Abatimento foi um dos pontos negociados pelo governo para encerrar a paralisação dos caminhoneiros

Abatimento foi um dos pontos negociados pelo governo para encerrar a paralisação dos caminhoneiros


/FERNANDO FRAZÃO/ABR/JC
O governo deve manter o desconto total de R$ 0,46 no preço do litro do diesel, concedido para acabar com a greve dos caminhoneiros, até dezembro. Além disso, o preço-base a partir do qual é aplicado o desconto deve ser mantido no mesmo patamar, segundo integrantes da área econômica.
O governo deve manter o desconto total de R$ 0,46 no preço do litro do diesel, concedido para acabar com a greve dos caminhoneiros, até dezembro. Além disso, o preço-base a partir do qual é aplicado o desconto deve ser mantido no mesmo patamar, segundo integrantes da área econômica.
O Ministério da Fazenda prepara um novo decreto com as regras para o subsídio de R$ 0,30 por litro, que valerão de 1 de agosto até o fim do ano. O valor é o mesmo da medida editada no início de junho. Trata-se da parcela que o governo precisa pagar à Petrobras e aos demais fornecedores do combustível. A União gastará até R$ 9,5 bilhões para bancar o desconto. O restante de R$ 0,16 por litro de desconto é concedido por meio de desonerações de impostos.
Com a decisão de não alterar o preço de referência, os valores nas refinarias devem ficar os mesmos por, pelo menos, mais um mês. Depois, podem ser reajustado - mas mantendo o desconto.
O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, disse, ontem, que o governo federal continuará contribuindo com o desconto de R$ 0,46 no preço do diesel. Segundo ele, o subsídio continuará até o fim do ano. "O subsídio que o governo garantiu aos caminhoneiros vai vigorar até 31 de dezembro de 2018", declarou.
Segundo Padilha, agora, será feito um cálculo da variação do preço do petróleo e do óleo diesel no mercado internacional. Isso significa que o preço do diesel pode aumentar, a depender do mercado internacional, mas o governo manterá o desconto de R$ 0,46.
Esta é a primeira revisão feita nos preços do combustível desde o acordo entre governo e caminhoneiros. A partir de agora, a revisão será feita de 30 em 30 dias até o fim do ano. "É óbvio que, se no preço internacional, tivermos variação em cada um dos meses (poderá aumentar o preço). Depois, (a revisão) será de 30 em 30 dias. Se, nos 30 dias, a avaliação for positiva, poderá haver aumento", completou o ministro.
O desconto de R$ 0,46 sobre o litro do diesel foi um dos pontos negociados pelo governo federal com as lideranças do movimento de caminhoneiros para tentar pôr fim à paralisação iniciada no dia 21 de maio. Na ocasião, milhares de caminhoneiros pararam seus veículos e não distribuíram mercadoria, causando crise de desabastecimento de vários itens.

Valor médio da gasolina nas refinarias permanece em R$ 1,9682 por litro

A Petrobras anunciou que o preço médio do litro da gasolina A sem tributo nas refinarias, será mantido em R$ 1,9682 nesta quarta-feira. O valor continua o mesmo desde 28 de julho. O preço do diesel segue inalterado desde o dia 1 de junho em R$ 2,0316.