Porto Alegre, sábado, 14 de março de 2020.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Agronegócios

24/07/2018 - 01h04min. Alterada em 24/07 às 10h46min

Entidades afirmam que tabelamento deixará os alimentos mais caros

Agência O Globo
Cinco entidades ligadas ao agronegócio divulgaram um comunicado conjunto alertando o governo e a sociedade que se o tabelamento do frete for aprovado pelo Congresso, o consumidor vai pagar mais caro pelos alimentos. O documento afirma que todos que precisam de serviço de frete estão impedidos de negociar preços e as negociações para escoamento da safra 2018/2019 estão paradas. No comunicado, as entidades lembram que o Brasil já teve experiências trágicas com controle de preços.
Cinco entidades ligadas ao agronegócio divulgaram um comunicado conjunto alertando o governo e a sociedade que se o tabelamento do frete for aprovado pelo Congresso, o consumidor vai pagar mais caro pelos alimentos. O documento afirma que todos que precisam de serviço de frete estão impedidos de negociar preços e as negociações para escoamento da safra 2018/2019 estão paradas. No comunicado, as entidades lembram que o Brasil já teve experiências trágicas com controle de preços.
"Somos contra o tabelamento do frete. É preciso tornar público para as autoridades e para a sociedade os problemas que isso está causando, Sergio Mendes, diretor geral da Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec).
Ao lado da Anec, assinaram o documento a Associação Nacional dos Usuários de Transporte de Carga (Anut), Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado do Mato Grosso (Aprosoja), Associação Brasileira das Indústrias de óleos Vegetais (Abiove) e Associação das Empresas Cerealistas do Brasil (Acebra). Juntas, as empresas que elas representam são responsáveis por uma produção anual de 119 milhões de toneladas de soja, milho e farelo de soja (72 milhões de toneladas de soja, 30 milhões de toneladas de milho e 12 milhões de toneladas de farelo de soja).