Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 23 de julho de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Petroquímica

Edição impressa de 23/07/2018. Alterada em 22/07 às 21h44min

Possível venda da Braskem gera incertezas

Empresa é a única fornecedora nacional de polietileno e polipropileno

Empresa é a única fornecedora nacional de polietileno e polipropileno


JULIO BITTENCOURT/DIVULGAÇÃO/JC
Jefferson Klein
Desde que foi anunciado que a holandesa LyondellBasell, uma das maiores companhias do setor de plásticos do mundo, abriu tratativas para adquirir a participação da Odebrecht na Braskem, o tema tem gerado uma série de dúvidas sobre o futuro no setor petroquímico nacional. Cerca de um mês após a divulgação dessa intenção, os transformadores, que utilizam as resinas termoplásticas para fabricar seus produtos acabados, continuam com várias interrogações.
A Odebrecht possui 50,1% do capital votante e 38,3% do capital total da Braskem e a Petrobras tem, respectivamente, 47% e 36,1%, sendo o restante diluído no mercado. A Braskem concentra o mercado brasileiro de resinas petroquímicas. O presidente do Sindicato das Indústrias de Material Plástico no Estado do Rio Grande do Sul (Sinplast-RS), Edilson Deitos, admite que a negociação envolvendo a LyondellBasell e a Odebrecht é algo que deixa o segmento apreensivo. "O Brasil importa mais produtos plásticos transformados do que exporta e precisamos de competitividade, para isso necessitamos de custos de matérias-primas mais competitivos", defende.
O dirigente argumenta que esse é o momento para questionar a manutenção do monopólio no mercado de resinas plásticas no País. O empresário sugere a hipótese de fatiar a Braskem em duas empresas petroquímicas. "A concorrência sempre possibilita um novo parâmetro de preços", frisa.
Deitos lembra que a empresa Whirlpool, detentora das marcas Brastemp e Consul, enviou um ofício ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) abordando a possível transação entre LyondellBasell e a Odebrecht. No documento, a Whirlpool requereu ao Cade "urgente atenção sobre tema". O texto enfatiza que a Braskem é hoje a única produtora nacional de resina de polipropileno, insumo fundamental para a linha branca (refrigeradores, freezers, lavadoras, fogão, micro-ondas).
Além da Braskem ser a única produtora da resina, a Whirlpool enfatiza que há duas medidas antidumping em vigor contra Estados Unidos, África do Sul, Coreia e Índia, tornando praticamente inviável a compra de polipropileno do exterior e retirando competitividade dos produtos da linha branca, já que se verifica uma diferença em torno de 30% entre o preço externo e o interno do insumo. Ainda segundo o ofício, a Whirlpool vê com muita preocupação a operação divulgada que pode ter efeitos extremamente negativos para a concorrência e retirar competitividade da indústria nacional que tem o polipropileno como matéria-prima.
Deitos destaca que a Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast) também está atenta aos desdobramentos do assunto. Conforme a Abiplast, a indústria de transformação do plástico quer que o governo acompanhe a potencial venda da Braskem para a LyondellBasell. Juntas, as petroquímicas darão origem à maior produtora mundial de resinas e o fato de uma companhia estrangeira estar a caminho de assumir a única fornecedora nacional de polietileno e polipropileno preocupa, sobretudo em um mercado que possui instrumentos de defesa comercial que impactam as principais resinas plásticas. Segundo a Abiplast, esse é um monopólio protegido e está passando às mãos de investidores estrangeiros e a ideia é mostrar ao governo que essa é uma questão estratégica.

Simplás frisa importância do Cade na transação

O tamanho do negócio envolvendo LyondellBasell e Odebrecht, quanto ao controle da Braskem, fará com que a iniciativa seja, mais adiante, analisada pelo Cade. Dentro dessa perspectiva, o presidente do Sindicato das Indústrias de Material Plástico do Nordeste Gaúcho (Simplás), Jaime Lorandi, diz que tem muitas dúvidas em relação à aprovação do acordo.

Ao analisar um ato de concentração o Cade observa, por exemplo, a participação de mercado das empresas envolvidas na operação, se há existência ou não de rivalidade por parte dos concorrentes, além de outros aspectos relacionados ao setor abordado. Uma preocupação admitida pelo presidente do Simplás, se a negociação for concretizada, é o fato de que quanto maior e mais concentrador é o grupo fornecedor de matérias-primas, mais difícil é a negociação quanto às condições de pagamento por parte dos transformadores. "Nessa situação existe o risco de ter que aceitar menores prazos ou juros mais altos", adverte. Lorandi comenta que esse cenário já se verifica com a atual gestão da Braskem, porém pode se agravar se o controle trocar de mãos. "Imagina com uma LyondellBasell, maior ainda?", indaga.

Para o dirigente, o que tranquiliza o transformador é a possibilidade da importação de resinas. No entanto, Lorandi admite que essa alternativa é mais complexa. O presidente do Simplás recorda que, atualmente, o mercado nacional das matérias-primas plásticas é protegido por um imposto de importação de 14%. Sobre a possível participação da outra sócia da Braskem no negócio, a Petrobras, Lorandi ressalta que as notícias recentes apontam que a estatal está interessada em focar na área de produção e refino de petróleo, não tendo manifestado tanto interesse na petroquímica.

O presidente do Simplás reforça que, a LyondellBasell comprando a parte da Odebrecht, a Petrobras terá extrema dificuldade de vender sua participação (intenção já manifestada), pois se trata de um tema que envolve aspectos políticos. Por isso, é complicado prever, neste momento, qual será a posição da estatal. A sócia executiva da MaxiQuim Assessoria de Mercado Solange Stumpf também afirma ser difícil projetar os reflexos para o ambiente da petroquímica nacional, se a LyondellBasell assumir o comando da Braskem. Isso dependerá da estratégia que o grupo holandês adotará. "Por exemplo, eles podem reavaliar as plantas daqui e podem até, eventualmente, fechar alguma unidade e trabalhar com mais produtos importados ou não mudar nada, acho que nem eles sabem, depois eles devem tomar essa decisão", observa.

Por ser um polo mais novo e com a presença da unidade de polietileno verde da Braskem, Solange não acredita que o complexo de Triunfo sofra algum risco, em um primeiro momento, de ser desativado. As maiores chances para fechamento de plantas estariam concentradas no polo petroquímico de São Paulo. A consultora da MaxiQuim informa que a demanda doméstica de polietilenos em 2017 foi de 2,5 milhões de toneladas, sendo a participação da Braskem de 71% e os 29% restantes importados. No polipropileno, a participação da Braskem em um mercado de 1,5 milhão de toneladas é de 79%. No PVC, a companhia divide o mercado de 900 mil toneladas com outro player local, a Solvay, além das importações. O produto nacional representa 64% do mercado, ficando 36% com matéria-prima importada.

Perfil da Braskem

A Braskem é, hoje, a maior produtora de resinas termoplásticas nas Américas e a maior fabricante de polipropileno nos Estados Unidos. Sua produção é focada nas resinas polietileno (PE), polipropileno (PP) e policloreto de vinila (PVC), além de insumos químicos básicos como eteno, propeno, butadieno, benzeno, tolueno, cloro, soda e solventes, entre outros. Também produz no polo petroquímico de Triunfo o polietileno verde, feito a partir da cana-de-açúcar, de origem 100% renovável. As unidades da Braskem estão presentes no Brasil, nos Estados Unidos, no México e na Alemanha, além de 16 escritórios regionais em outros países.

Fábricas

  • 40 unidades industriais: 29 estão instaladas no Brasil, nos estados de Alagoas, Bahia, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo. Cinco estão nos Estados Unidos, duas estão na Alemanha e quatro no México. Clientes em mais de 70 países, em todos os continentes.
  • Capacidade de produção: mais de 16 milhões de toneladas/ano de resinas termoplásticas e outros produtos químicos.
  • Número de integrantes: 8 mil pessoas.
Fonte: Braskem
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Lucas Gabe 23/07/2018 12h50min
Mais um monopólio que precisa ser enfrentado, assim como o da Petrobras no refino. A falta de concorrência gera preços elevados em um efeito cascata para o consumidor. A gigante Braskem foi criada com a justificativa de competir com as grandes petroquímicas internacionais. Porém, com um mercado nacional protegido, a competição tão benéfica para o consumidor é impedida.
Roger soares 23/07/2018 01h27min
Estamos passando pelo maior processo de desindustrialização dos últimos 35 anos, do jeitinho que os EUA gostariam...