Porto Alegre, sábado, 14 de março de 2020.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Inovação

22/07/2018 - 21h52min. Alterada em 22/07 às 21h51min

Programa do BTG quer atrair scale-ups financeiras

Iniciativa contribui para a experiência e networking dos participantes com o banco, clientes e fornecedores

Iniciativa contribui para a experiência e networking dos participantes com o banco, clientes e fornecedores


/BTG PACTUAL/DIVULGAÇÃO/JC
Patricia Knebel
O boostLAB, do BTG Pactual, está em busca de scale-ups que já tenham produto e tração para conectá-las em sua rede. A segunda edição do programa, lançado na sexta-feira, busca potencializar as startups de nível mais maduro e está sendo realizada em parceria com a ACE, eleita três vezes como melhor aceleradora da América Latina. As inscrições estão abertas até 24 de agosto.
O boostLAB, do BTG Pactual, está em busca de scale-ups que já tenham produto e tração para conectá-las em sua rede. A segunda edição do programa, lançado na sexta-feira, busca potencializar as startups de nível mais maduro e está sendo realizada em parceria com a ACE, eleita três vezes como melhor aceleradora da América Latina. As inscrições estão abertas até 24 de agosto.
Entre as tecnologias que o banco está olhando mais atentamente estão Blockchain, Inteligência Artificial, Big Data, Crédito On-line e Meios de Pagamentos. Serão cinco startups selecionadas para o programa, que tem duração de cinco meses.
O programa de potencialização busca startups que atuem em três áreas: eficiência operacional (principalmente em Meios de Pagamentos, Crédito para PMEs, energia etc.); relacionamento com o cliente (experiência digital, assertividade com a base de clientes e compliance) e disrupção (oportunidades de negócios para o banco e empresas parceiras em mercados como commodities, crédito e seguros, por exemplo).
O sócio do BTG Pactual e responsável pelo boostLAB, Frederico Pompeu, explica que o banco tem um time de sócios e executivos sênior muito envolvido no programa. São sete gestores, cada um com um papel bem definido na estrutura da iniciativa: Frederico Pompeu (dedicação exclusiva ao programa), Renato Mazzola (Head do Private Equity), Gustavo Roxo (CTO), Marcelo Flora (Head do BTG Pactual Digital), José Vita (ex-head do Investment Banking), Mateus Carneiro (Head do RH) e André Alves (Head de Marketing).
Além de contribuir com experiência e networking, esses profissionais estão engajados em fazer Provas de Conceito (POCs) das startups participantes, não só com o BTG Pactual, mas também com clientes, fornecedores e parceiros do banco. "Estamos sempre buscando sinergias e novas possibilidades de negócios para otimizar seu business e também potencializar o crescimento das startups participantes do programa", relata.
A primeira rodada contou com inscrição de 124 empresas, dentre as quais seis foram escolhidas e potencializadas: Neurotech, Agronow, Clicksign, F(X), Liber Capital e Zigpay. Muitas das iniciativas renderam frutos. O BTG Pactual Digital está utilizando, por exemplo, a ClickSign para assinatura eletrônica dos contratos de abertura de conta via plataforma. Além disso, a instituição se cadastrou no marketplace do Liber Capital como investidor, de forma a poder comprar os recebíveis que cursam por lá. Outra empresa, a Neurotech, já iniciou projetos piloto com o BTG Pactual, Dotz, Banco Pan e Pan Seguros.
Dentro do boostLAB, as scale-ups também contam com a metodologia de potencialização da ACE e os conselhos de um time de executivos com grande destaque em suas áreas de atuação, como Stelleo Tolda (COO do Mercado Livre), Cláudio Galeazzi, especializado em reestruturações de empresas no Brasil, e Sônia Hess, ex-CEO da Dudalina.
As empresas selecionadas contarão com créditos de US$ 10 mil no serviço de nuvem da Amazon (AWS) e US$ 3 mil no da Google, além do suporte do time de especialistas destas empresas.
"Sempre acreditamos e investimos em empreendedorismo e em histórias inovadoras. O sucesso da primeira edição nos provou que, com nosso networking e a excelência do time de mentores do programa, realmente somos capazes de dar um boost nessas empresas", comenta Pompeu.
Ele explica que, para a segunda rodada, a expectativa é atrair ainda mais ideias inovadoras e pessoas talentosas. Os interessados em participar do programa devem se inscrever por meio do site do boostLAB (www.boostlab.com.br). O boostLAB fica localizado em São Paulo, no WeWork Faria Lima.