Porto Alegre, sábado, 14 de março de 2020.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

mercado financeiro

19/07/2018 - 08h05min. Alterada em 19/07 às 08h05min

Bolsas da Ásia fecham em queda, sem fôlego e com petróleo e comércio no radar

As bolsa asiáticas fecharam em território negativo nesta quinta-feira (19). Em várias praças a abertura foi positiva, porém ao longo do pregão o quadro piorou, diante da queda do petróleo e com a cautela em relação ao comércio global no radar.
As bolsa asiáticas fecharam em território negativo nesta quinta-feira (19). Em várias praças a abertura foi positiva, porém ao longo do pregão o quadro piorou, diante da queda do petróleo e com a cautela em relação ao comércio global no radar.
Na Bolsa de Tóquio, o índice Nikkei fechou em baixa de 0,13%, em 22.764,68 pontos. Com isso, a bolsa japonesa interrompeu uma sequência de quatro altas, em dia de valorização do iene frente ao dólar, o que tende a pressionar ações de exportadoras locais. Na agenda de indicadores, dados oficiais mostraram que o Japão teve superávit comercial de 721,4 bilhões de ienes em junho, o que superou a expectativa de 534,2 bilhões de ienes dos analistas. O superávit comercial japonês com os EUA avançou 0,5% na comparação anual de junho, o que pode reforçar o argumento do governo americano de que é alvo de injustiças na arena comercial.
A Bolsa de Xangai teve queda de 0,53%, a 2.772,55 pontos, em sua quinta queda consecutiva, a primeira sequência do tipo nessa praça desde o fim de maio. As ações do setor de aviação tiveram jornada negativa, com China Southern e Air China em baixa de mais de 5%, enquanto o yuan continuou a recuar ante o dólar. O petróleo fraco também não ajudou. A Bolsa de Shenzhen, de menor abrangência, recuou 0,79%, a 1.647,40 pontos.
Em Hong Kong, o índice Hang Seng caiu 0,38%, a 28.010,86 pontos, em sua terceira queda seguida. Entre as ações em foco, Geely Auto recuou 3,7%, enquanto China Construction Bank e ICBC perderam ambos pouco mais de 1%. Já o papel do HSBC negociado em Hong Kong foi na contramão e subiu 0,8%, em jornada positiva também para seguradoras, após balanço positivo da New China Life (+4,1%).
Na Coreia do Sul, a Bolsa de Seul teve queda de 0,34%, a 2.282,29 pontos. Pela segunda sessão seguida, uma abertura positiva foi apagada ao longo da jornada. A siderúrgica Posco teve baixa de 1,4% e a Korean Air caiu 1,9%, mas a Samsung teve ganho de 0,75%.
Em Taiwan, o índice Taiex teve baixa de 0,07%, a 10.835,38 pontos, passando ao território negativo na hora final do dia. Taiwan Semi subiu 0,7%, em jornada positiva para empresas de tecnologia, porém o setor financeiro se saiu pior, com Cathay Bank em baixa de 0,6%.
Na Oceania, o índice S&P/ASX 200 foi na contramão e fechou com ganho de 0,28%, a 6.262,70 pontos, na Bolsa de Sydney. Entre as ações mais negociadas na praça australiana, ShareRoot teve alta de 16,67% e Carnarvon Petroleum, de 23,64%, mas Sundance Energy Austrália recuou 1,41% e Telstra, 0,36%.