Porto Alegre, sábado, 14 de março de 2020.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

mercado financeiro

17/07/2018 - 08h05min. Alterada em 17/07 às 08h04min

Petróleo opera de lado, ainda com foco na possibilidade de aumento na oferta

Os contratos futuros de petróleo operam perto da estabilidade na manhã desta terça-feira (17), com o mercado atento à possibilidade de que ocorram aumentos na oferta dos Estados Unidos e da Arábia Saudita. Além disso, os EUA e a Rússia sinalizaram ontem a possibilidade de uma ação conjunta para equilibrar o mercado.
Os contratos futuros de petróleo operam perto da estabilidade na manhã desta terça-feira (17), com o mercado atento à possibilidade de que ocorram aumentos na oferta dos Estados Unidos e da Arábia Saudita. Além disso, os EUA e a Rússia sinalizaram ontem a possibilidade de uma ação conjunta para equilibrar o mercado.
Às 7h49min (de Brasília), o petróleo WTI para agosto subia 0,06%, a US$ 68,10 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para setembro recuava 0,03%, a US$ 71,82 o barril, na ICE.
Na segunda-feira, os dois contratos fecharam em baixa superior a 4%, com operadores antecipando que haverá mais petróleo no mercado. Os observadores no mercado cada vez mais avaliam a possibilidade de que os EUA possa liberar suas reservas estratégicas, após declarações recentes do presidente Donald Trump.
Segundo Tamas Varga, da corretora PVM Oil Associates, o principal motivo para a queda forte de ontem foi a especulação sobre a liberação de parte dessa reserva estratégica. Ela está atualmente 270 milhões de barris acima do nível requerido de 90 dias das importações líquidas do ano anterior, portanto haveria espaço para agir se necessário, aponta o analista.
Ontem, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, e Trump concederam entrevista coletiva em Helsinque, durante a qual o líder russo falou sobre a possibilidade de uma ação bilateral para regular os mercados de petróleo e gás.
Os preços também foram pressionados por sinais de que a Arábia Saudita, o maior exportador global, elevava sua produção mesmo antes do acordo para isso na Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep). Os analistas do Commerzbank afirmaram em nota que relatos sobre maiores embarques sauditas para clientes na Ásia chamaram a atenção.
Caso os sauditas atuem unilateralmente para vender mais petróleo, outros países podem se mostrar mais inclinados a isso, segundo Carsten Menke, diretor de pesquisas em commodities do Julius Baer.
Analistas e investidores esperam o relatório do American Petroleum Institute de estoques semanais de petróleo nos EUA, que sai às 17h30min.