Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 17 de julho de 2018.
Dia de Proteção às Florestas .

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado de Capitais

Notícia da edição impressa de 17/07/2018. Alterada em 17/07 às 01h00min

State Grid responde reclamação dos minoritários da CPFL à CVM

Cinco dias depois de os minoritários da CPFL Renováveis protocolarem reclamação na CVM sobre a nova oferta pelas ações da empresa, os chineses da State Grid responderam às contestações. Em carta enviada à autarquia, a companhia acusa os minoritários de oportunistas, que querem induzir a autarquia a erros e se baseiam em pleitos antigos.

"A reclamação deixa claro que os reclamantes não estão à procura de tratamento igualitário no âmbito da oferta muito menos do cumprimento da decisão do colegiado, mas sim de aproveitar a oportunidade da transação para tentar vender suas ações ao maior preço possível, mesmo que para isso tenham de induzir em erros essa autarquia e buscar vantagens indevidas", diz a chinesa na carta.

No fim de junho, a State Grid elevou de R$ 12,20 para R$ 13,81 o preço pelas ações da Renováveis - o que representa acréscimo de R$ 390 milhões ao preço original de quase R$ 3 bilhões. Na reclamação feita pelos minoritários semana passada, os acionistas questionam a forma como o preço foi recalculado pela chinesa e reclamam da demora do processo, que se arrasta desde 2016.

Um dos argumentos usados para derrubar a revisão do preço feita no mês passado é que a State Grid teria tentado alterar os fundamentos da justificativa de preço original e usado informações financeiras selecionadas. A acusação é que a empresa não teria feito os cálculos com base no IFRS (normas contáveis internacionais), que consolida os números de todas as controladas da companhia.

A State Grid afirma que não houve mudança de narrativa por parte da ofertante, mas sim o aperfeiçoamento da redação original, "apenas e tão somente para refletir a verdadeira relevância dos métodos" usados. Sobre o IFRS, a chinesa afirmou que à época da transação as únicas projeções elaboradas pelos conselhos de administração de ambas as companhia eram as projeções gerenciais elaboradas pela administração das CPFL Energia e CPFL Renováveis.

A revisão do preço apresentada pela State Grid foi feita depois que o colegiado da CVM exigiu, no início de maio, ajustes nos cálculos.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia