Porto Alegre, sábado, 14 de março de 2020.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

conjuntura internacional

09/07/2018 - 21h43min. Alterada em 09/07 às 21h43min

Juros avançam em início de semana de leilões do Tesouro dos EUA

Os juros dos Treasuries subiram, com consequente queda dos preços, à medida que investidores se preparam para três leilões agendados para esta semana num valor total de US$ 69 bilhões em notas do Tesouro dos Estados Unidos.
Os juros dos Treasuries subiram, com consequente queda dos preços, à medida que investidores se preparam para três leilões agendados para esta semana num valor total de US$ 69 bilhões em notas do Tesouro dos Estados Unidos.
No horário de fechamento em Nova Iorque, o yield da T-note de 2 anos avançava de 5,536% na tarde de sexta-feira para 2,561%, o da T-note de 10 anos subia de 2,809% para 2,857% e o do T-bond de 30 anos passava de 2,924% para 2,965%.
Os rendimentos ganharam fôlego com os movimentos do Tesouro para expandir sua venda de títulos da dívida para ajudar a financiar o pacote de cortes de impostos no valor de US$ 1,5 trilhão que entrou em vigor no fim do ano passado. Os leilões de notas e bônus desta semana representam um aumento de 23% em relação aos US$ 56 bilhões arrecadados em igual série de ofertas no ano passado. As vendas de notas e bônus do Tesouro aumentaram 9,2% no primeiro semestre deste ano ante igual intervalo de 2017, para US$ 1,1 trilhão.
A maior parte do aumento em tamanhos de leilões vem das vendas de dívida de prazo mais curto. O leilão de US$ 33 bilhões em T-notes de 3 anos agendado para amanhã excede a oferta do ano passado em US$ 9 bilhões. Já nas emissões de T-notes de 10 anos e T-bonds de 30 anos houve aumentos de US$ 2 bilhões.
Alguns analistas e investidores dizem que as vendas maiores de títulos curtos contribuíram para o achatamento da curva de juros "Vimos a curva continuar a achatar, mesmo que tenhamos oferta esta semana", disse o operador do Credit Agricole Dan Mulholland
O spread entre os yields das T-notes de 2 e de 10 anos, uma das medidas da curva de juros, flutuou nesta segunda-feira abaixo de 0,3 ponto porcentual, perto dos níveis mais baixos dos últimos 11 anos. O estreitamento da diferença dos rendimentos é um sinal de que investidores seguem cautelosos sobre a perspectiva para o crescimento econômico mesmo enquanto esperam que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) continue elevando as taxas de juros.