Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 06 de julho de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

consumo

Notícia da edição impressa de 06/07/2018. Alterada em 06/07 às 01h00min

Alimentação pressiona inflação da baixa renda

Pressionada pela alta dos grupos alimentação e habitação, a inflação para as famílias de baixa renda, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor - Classe 1 (IPC-C1), fechou o mês de junho com variação de 1,52%, alta de 0,92 ponto percentual em relação ao 0,60% da variação de março. Com esse resultado, o indicador acumula alta de 3,03% no ano e 3,59% nos últimos 12 meses.
Os números relativos ao IPC-C1 de junho foram divulgados nesta quinta-feira pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da Fundação Getulio Vargas (FGV), e indicam que a inflação para as famílias de baixa renda fechou junho com taxa acima da apurada para as famílias de maior renda.
O IPC-BR, que mede a variação de preços para as famílias com renda de até 33 salários-mínimos, registrou, em junho, variação de 1,19%, resultado 0,40 ponto percentual superior à das famílias com renda de até 2,5 salários-mínimos. Com o resultado de junho, o IPC-BR fechou os últimos 12 meses com alta de 4,43%, uma variação 0,84 ponto percentual acima da inflação para as famílias de menor renda.
Os dados divulgados pela FGV indicam que seis das oito classes de despesas componentes do índice apresentaram acréscimo em suas taxas de variação de maio para junho, com destaque para os grupos alimentação, cuja variação passou de 0,50% para 2,31%; e habitação, de 1,02% para 2,36%.
Educação, leitura e recreação passou de uma deflação (inflação negativa) de 0,37% para uma alta de 0,51%; transportes, de 0,64% para 0,73%; despesas diversas, de 0,11% para 0,23%; e comunicação, de -0,06% para 0,15%.
Nesses grupos, segundo a FGV, os destaques ficaram com os itens aves e ovos, que chegou a subir 11,48 pontos percentuais, ao passar de uma deflação de 1,25% para uma alta de 10,23%; tarifa de eletricidade residencial, de 5,25% para 9,34%; hotel, de -4,95% para 2,95%; e gasolina, de 2,64% para 4,25%.
Em contrapartida, os grupos saúde e cuidados pessoais passaram de 0,66% para 0,15% na passagem de maio para junho; e vestuário, de 0,35% para 0,27% no período.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia