Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 05 de julho de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Petróleo

Notícia da edição impressa de 05/07/2018. Alterada em 05/07 às 08h15min

Petrobras e CNPCI assinam acordo para concluir obras do Comperj

Um dia após comunicar a suspensão do processo de busca de parceiros para quatro refinarias, a Petrobras anunciou ontem uma parceria para concluir a construção da refinaria no Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), em Itaboraí, um dos maiores símbolos do esquema de corrupção na companhia revelado pela Operação Lava Jato.
Em comunicado ao mercado, a Petrobras informa que assinou uma carta de intenções com a gigante chinesa CNPCI para detalhar a execução de projetos em parceria que incluem a construção de uma refinaria no Comperj, além da participação dos chineses nos campos de Marlim, na Bacia de Campos. Na terça-feira, a Petrobras suspendeu os processos para a formação de parcerias na área de refino e também para a venda de sua participação na fábrica de fertilizantes Araucária Nitrogenados e na Transportadora Associada de Gás (TAG).
O fato relevante não detalha qual será a participação dos chineses no projeto, nem os investimentos previstos. Mas o acordo mostra que a ideia é realizar um projeto integrado no qual o petróleo de Marlim, que é pesado, seja usado na refinaria cuja concepção inicial era para o uso de petróleos pesados.
As obras do Comperj - nas quais já foram gastos cerca de US$ 14 bilhões - estão paradas desde 2015. Outra empresa chinesa, a Shandong Kerui Petroleum, foi contratada pela Petrobras para a construir a Unidade de Processamento de Gás Natural (UPGN).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia