Porto Alegre, sábado, 14 de março de 2020.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Conjuntura

02/07/2018 - 22h00min. Alterada em 02/07 às 22h00min

Focus eleva estimativa de inflação para 4,03%

Instituições financeiras consultadas pelo Banco Central (BC) aumentaram, pela sétima semana seguida, a estimativa para a inflação em 2018. A projeção para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu de 4% para 4,03% neste ano. O dado consta da pesquisa Focus, publicação elaborada todas as semanas pelo BC, com projeções de instituições financeiras para os principais indicadores econômicos.
Instituições financeiras consultadas pelo Banco Central (BC) aumentaram, pela sétima semana seguida, a estimativa para a inflação em 2018. A projeção para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu de 4% para 4,03% neste ano. O dado consta da pesquisa Focus, publicação elaborada todas as semanas pelo BC, com projeções de instituições financeiras para os principais indicadores econômicos.
A pesquisa do BC passou por mudanças. Agora, é possível saber, por exemplo, quantas instituições financeiras responderam a consulta sobre cada indicador. No caso da projeção para o IPCA neste ano, 114 instituições apresentaram estimativa.
O BC passou a divulgar, também, as estimativas de quatro anos, acrescendo 2020 e 2021. Para as instituições financeiras, o IPCA, em 2019, será 4,10% (mesma estimativa da semana passada) e 4% em 2020 e em 2021.
Essas estimativas estão abaixo da meta que deve ser perseguida pelo BC. Para 2018, o centro da meta é 4,5%, com limite inferior de 3% e superior de 6%. Para 2019, a meta é 4,25%, com intervalo de tolerância entre 2,75% e 5,75%. Para 2020, a meta é 4%, e, para 2021, 3,75%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para os dois anos (2,5% a 5,5% e 2,25% a 5,25%, respectivamente).
Para alcançar a meta de inflação, o BC usa como instrumento a taxa básica de juros, a Selic - atualmente, 6,5% ao ano. As instituições financeiras avaliam que a Selic deve permanecer em 6,5% ao ano até o final de 2018. Para 2019, a expectativa é de aumento da taxa básica, terminando o período em 8% ao ano e permanecendo nesse patamar em 2020 e 2021.
A projeção para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) permaneceu em 1,55%, depois de oito reduções consecutivas. A previsão de crescimento do PIB para 2019 caiu, pela quarta vez consecutiva, ao passar de 2,60% para 2,50%. As instituições financeiras também projetam crescimento de 2,50% do PIB em 2020 e 2021. De acordo com a pesquisa, quanto mais distante o período da previsão, menor o número de instituições que respondem à pesquisa. Na previsão para o PIB em 2018, colaboraram 75 instituições; para 2019, 74; para 2020, 56; e para 2021, 51.
A previsão do mercado financeiro para a cotação do dólar passou de R$ 3,65 para R$ 3,70 no fim de 2018, e permanece em R$ 3,60 no fim de 2019 e de 2020. No fim de 2021, a previsão é de R$ 3,70.
Arte Focus - Projeção Semanal