Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 02 de julho de 2018.
Dia do Bombeiro Brasileiro.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

opinião

Notícia da edição impressa de 02/07/2018. Alterada em 02/07 às 01h00min

Propriedade privada

Delfim Netto
A sociedade, ao aplicar o trabalho de todos os cidadãos (usando o estoque de bens de produção que acumulou no passado) sobre o seu espaço físico, produz, num ano, uma quantidade finita de bens e serviços finais que pode utilizar como quiser.
A essa miríade de bens e serviços finais avaliados a preço de mercado damos o nome de PIB (Produto Interno Bruto). Os "preços" são os sinais que levam a harmonizar a oferta de cada bem ou serviço produzido por milhares de produtores, com a demanda manifestada por milhões de consumidores. Trata-se de um problema puramente econômico.
A pergunta mais interessante, entretanto, é: como esse PIB será dividido entre os que o produziram? Isso dependerá das "preferências" de cada um com relação ao produzido e da remuneração que recebeu em troca do seu esforço produtivo (salário) que é determinado no "mercado de trabalho".
O salário, por sua vez, depende da relação de poder que se estabelece entre os que detêm a propriedade dos bens de produção, os "capitalistas", e os "trabalhadores", que não têm outra alternativa senão a de alugar-lhes a sua força de trabalho.
Não existe fórmula técnica para separar o valor que foi gerado pelos bens de produção (que aumentam a produtividade do trabalho), que seria a remuneração do capitalista (o lucro), e o que foi gerado pelo trabalho "vivo" que o utilizou, o que seria o salário.
Explicar a distribuição do que foi produzido pela cooperação positiva entre o "capital" e o "trabalho" persegue os economistas há pelo menos 200 anos, mas não é um problema apenas econômico. Trata-se de uma questão de poder com graves implicações econômicas que só pode ser resolvida civilizadamente pelo exercício pleno de paciente negociação política entre as partes.
Foi a organização dos trabalhadores em sindicatos fortes, furiosos, honestos e independentes do Estado que, ao longo dos séculos XIX e XX, exigiu a generalização do sufrágio universal e se transformou em partido político que domesticou o capitalismo.
Este, com todos os seus defeitos, permitiu uma conciliação entre o anseio de liberdade mitigada pela redução das desigualdades, devido à organização dos "mercados", cujo bom funcionamento depende do respeito à propriedade privada. Esta não é um "direito natural", é apenas mais uma conveniente invenção do homem.
A história sugere que, até agora, todas as tentativas de organizar a sociedade sem ela terminaram entregando o poder a uma burocracia que, sem controle social, lhe roubou a "liberdade", não lhe deu "igualdade" e se perdeu na ineficiência produtiva. Pois bem: esse é o programa que hoje nos oferece a esquerda regressiva!
Economista e ex-ministro da Fazenda, Agricultura e Planejamento
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia