Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 27 de junho de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Agronegócios

Notícia da edição impressa de 27/06/2018. Alterada em 27/06 às 01h00min

Justiça confirma suspensão da venda da Itambé para Lactalis

Negócio com a marca francesa foi feito em dezembro do ano passado

Negócio com a marca francesa foi feito em dezembro do ano passado


/CLAITON DORNELLES/JC
O processo que corria na 1ª Vara Empresarial e Conflitos de Arbitragem em São Paulo teve a sentença proferida na noite de segunda-feira, confirmando a suspensão da venda da marca mineira de lácteos Itambé para a companhia francesa Lactalis, por meio da Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais Ltda. (CCPR), feita em dezembro do ano passado.
"Julgo parcialmente procedentes os pedidos contidos na inicial deste procedimento cautelar antecedente proposto por Vigor Alimentos S.A. contra a Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais Ltda. (CCPR), Itambé Alimentos S.A. e BSA International, para, confirmando a liminar de fls. 1149/1153, suspender os efeitos da compra e venda celebrada pela CCPR e BSA, tendo por objeto a Itambé, até ulterior confirmação do tribunal arbitral", afirmou o juiz Luis Felipe Ferrari Bedendi na sentença.
No entendimento do juiz, a Lactalis não deveria fazer parte do procedimento cautelar, já que a suspensão das operações não a afetará. Bedendi argumenta que, "mesmo que a venda da Itambé para a BSA tenha ocorrido no dia 5 de dezembro de 2017, há grande probabilidade de que tenha havido violação do direito de preferência da Vigor, de forma camuflada".
Além disso, "a inserção da BSA (Lactalis) na estrutura da Itambé impediria, ou tornaria muito difícil, retomar uma situação anterior caso a Vigor vença a arbitragem, por isso manteve a liminar vigente". Procuradas pela reportagem, a Lactalis e a CCPR não se posicionaram.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia