Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 26 de junho de 2018.
Dia Internacional de Combate às Drogas.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria Naval

Notícia da edição impressa de 26/06/2018. Alterada em 25/06 às 21h59min

Plano de recuperação da Ecovix será votado hoje

Estaleiro Rio Grande pode diversificar atuação para retomar atividade

Estaleiro Rio Grande pode diversificar atuação para retomar atividade


/MARCELO G. RIBEIRO/JC
Jefferson Klein
A tarde de hoje marca um momento decisivo e histórico para o polo naval gaúcho. A partir das 14h, será realizada a assembleia geral de credores do grupo Ecovix, em Rio Grande, no auditório do Hotel Villa Moura Executivo. Na ocasião, será debatido e votado o plano de recuperação da empresa, a alienação de ativos e o pagamento de credores.
A Ecovix é responsável pelo Estaleiro Rio Grande, que, hoje, se encontra com as atividades paradas. O esfriamento da indústria naval brasileira e os problemas que a companhia enfrentou nos últimos anos com investigações de corrupção desencadeadas pela Operação Lava Jato, entre outros motivos, fez com que um dos principais complexos do polo naval gaúcho ficasse inativo.
O advogado do Souto Correa Advogados (um dos escritórios que assessora a Ecovix) Rodrigo Tellechea destaca que uma possível retomada das operações do estaleiro somente será iniciada a partir da aprovação do plano de recuperação. Tellechea antecipa que, caso a proposta não seja aceita, a tendência é da decretação de falência da empresa. Se o plano for acatado, as dívidas serão repactuadas, sob novas condições.
Se o estaleiro voltar a atuar, a ideia é que diversifique suas atividades e que seja efetivada a formação de uma Unidade Produtiva Isolada (UPI), para atrair algum investidor que fará aportes de recursos a partir da compra de ativos. Esse dinheiro será utilizado no pagamento de credores. O diretor executivo da Ecovix, Christiano Morales, já havia admitido que algo que deveria acontecer, em um segundo momento, seria a venda do estaleiro Rio Grande.
Entre os planos futuros para o estaleiro está a atuação na atividade portuária (com atracação de embarcações e movimentação de cargas), os reparos em plataformas petrolíferas e embarcações, o processamento de aço para a indústria metalomecânica e a finalização da plataforma de petróleo P-71.
Conforme a Ecovix, o processo de recuperação do grupo, o quarto maior do País em valores, envolvendo cerca de R$ 7 bilhões, começou em dezembro de 2016. Os ativos da empresa em Rio Grande são avaliados em US$ 1 bilhão, incluindo o maior dique seco do Hemisfério Sul e dois pórticos, um para trabalhar com 600 toneladas e outro para 2 mil toneladas. Inicialmente, a assembleia de credores estava marcada para 15 de março, mas foi suspensa um dia antes em razão de liminar concedida pela 6ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ-RS), em Porto Alegre, atendendo ao pedido da Funcef (fundo de pensão dos funcionários da Caixa, sócia indireta do empreendimento). No fim de abril, o TJ-RS autorizou a retomada da assembleia. Procurada pela reportagem do Jornal do Comércio, a Funcef respondeu que não se manifestaria sobre se tentaria outro recurso na Justiça para suspender a reunião de hoje.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia