Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 20 de junho de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

benefícios

Notícia da edição impressa de 20/06/2018. Alterada em 20/06 às 01h00min

Acerto de cadastro libera o saque imediato do PIS

Brasília - A Caixa Econômica Federal inicia o pagamento das cotas do PIS para pessoas com idade superior a 70 anos (José Cruz/Agência Brasil)  Economia pagamento PIS foto José Cruz Agência Brasil.

Brasília - A Caixa Econômica Federal inicia o pagamento das cotas do PIS para pessoas com idade superior a 70 anos (José Cruz/Agência Brasil) Economia pagamento PIS foto José Cruz Agência Brasil.


JOSÉ CRUZ/AGÊNCIA BRASIL/JC

Falhas cadastrais e desinformação podem atrapalhar trabalhadores que tentarem sacar suas cotas do PIS/Pasep, liberadas na segunda-feira e pagas até 29 de junho para cotistas de 57 a 59 anos. A principal informação sobre o benefício é que só tem chance de recebê-lo o cidadão que teve registro na carteira profissional ou foi servidor público entre 1971 e 4 de outubro de 1988 e ainda não fez o saque. Outras restrições, porém, provavelmente só serão descobertas no banco.

Segundo a Caixa Econômica Federal, que paga o PIS, e o Banco do Brasil, responsável pelo Pasep, pendências no cadastro podem ser geradas por erros na numeração de documentos, no nome dos pais, no endereço e, em casos raros, por pessoas com nomes iguais, entre outros.

As falhas não impedem, entretanto, o acesso ao recurso. A correção é realizada em qualquer agência dos bancos pagadores. Caso o cidadão tenha em mãos a documentação necessária para a correção cadastral, o dinheiro poderá ser liberado imediatamente.

Além de documento oficial com foto, é possível que o cotista precise apresentar a carteira profissional, o CPF ou documentos específicos que possam servir de prova para a correção do cadastro. Situações específicas de homônimos podem exigir mais tempo para análise.

As agências do Banco do Brasil (BB) receberam na segunda-feira 25 mil cotistas do Pasep que sacaram R$ 33,7 milhões. Segundo o banco, 1,8 milhão de cotistas têm direito nesta primeira etapa. A Caixa não divulgou balanço do primeiro dia de saques, mas informou que 2,9 milhões de brasileiros podem receber os recursos nessa fase.

Quem aguardar até agosto para sacar os recursos receberá os valores corrigidos pelo rendimento anual do fundo. No último exercício (entre julho de 2016 e junho de 2017), por exemplo, o rendimento foi de 8,9%. Ainda não há um índice de reajuste para este ano, mas o ministro do Planejamento, Esteves Colnago, disse que a correção deve ficar entre 8% e 10%.

Entre agosto e setembro, cotistas de todas as idades terão acesso aos valores. Ao todo, 25 milhões deverão ser beneficiados.

O prazo para sacar o abono do PIS/Pasep de 2016, que é diferente da cota, termina no próximo dia 29. O valor pode chegar a R$ 954,00 (um salário-mínimo), dependendo da quantidade de meses de trabalho formal realizado durante o ano-base.

Para ter o benefício é preciso ter trabalhado ao menos 30 dias, com renda mensal média de até dois salários-mínimos, além de estar cadastrado no PIS/Pasep há pelo menos cinco anos. Funcionários de empresas privadas recebem na Caixa e servidores públicos, no Banco do Brasil.

Para sair do banco com o dinheiro na mão

> Os trabalhadores com idades entre 57 e 59 e que tiveram registro na carteira profissional ou foram servidores públicos entre 1971 e 4 de outubro de 1988 já podem sacar suas cotas do PIS/Pasep.
> Falhas cadastrais, porém, podem atrapalhar o beneficiário na hora de exigir o seu direito; veja abaixo o que pode dar errado e o que fazer para sair do banco com o dinheiro na mão.
NIS não cadastrado
Motivo
> O NIS (Número de Identificação Social) é cadastrado pelo patrão e pode ter ocorrido erro ao informá-lo ao trabalhador.
> Geralmente, o número é definido no primeiro registro e está na carteira de trabalho.
Como resolver
> O NIS está anotado na carteira de trabalho, mas se houver erro nessa anotação, há outros documentos onde o cidadão pode encontrá-lo.
> O extrato do Fundo de Garantia é um dos documentos que traz o número correto do NIS ou do PIS.
Dois números de PIS
Motivo
> O trabalhador que tira uma nova carteira de trabalho pode ter dois números de PIS.
> Nesse caso, o patrão, ao pegar a nova carteira, faz um registro diferente no Ministério do Trabalho
> Esse erro pode impedir o cadastro e a consulta dos valores.
Como resolver
> Atualmente, quando ocorre a emissão de uma nova carteira de trabalho, o sistema das Secretarias Regionais do Trabalho e Emprego consultam a base de dados para não criar um novo PIS ou NIS.
> No entanto, quem tirou carteira antes da digitalização do sistema pode ter dois números de PIS.
> Nesses casos, é preciso ir até a Caixa para unificar os registros
> Leve as carteiras de trabalho e o RG.
Erro no nome da mãe
Motivo
> Como o cadastro do trabalhador é feito pelo patrão, pode ser que o setor de RH tenha cometido algum erro.
> Outra falha comum é o nome estar informado de uma forma para o governo federal, mas ser registrado de outra nos documentos pessoais.
> Também há divergências quando a mulher se casa e muda de nome.
Como resolver
> É preciso procurar a Caixa, com os documentos de identificação da mãe, e pedir a correção no cadastro.
> Só será possível identificar qual é o erro indo até o banco; lá, um funcionário irá conferir o que precisa ser corrigido
> Nesses casos, é importante levar, além do RG, cópia da certidão de nascimento ou da certidão de casamento da mãe.
> Sistema não reconhece o RG informado.
Sistema não reconhece o RG informado
Motivo
> Quem cadastrou o PIS do trabalhador pode ter informado o RG errado.
Como resolver
> O trabalhador deverá procurar a Caixa, como número correto do RG.
> Somente ele poderá fazer essa atualização de cadastro ou correção de dados.

Calendário de pagamento

Quem poderá pegar o dinheiro:
> Cotistas com 57 a 59 anos de idade: até o dia 29 deste mês.
> Clientes da Caixa e do Banco do Brasil de qualquer idade: no dia 8 de agosto.
> Trabalhadores de qualquer idade que não são clientes dos bancos: de 14 de agosto a 29 de setembro.

Atenção

> Cotistas a partir de 60 anos têm direito ao saque a qualquer momento. Não confunda cota com abono do PIS.

Cota

> Até 1988, os patrões faziam depósitos individuais no fundo PIS/Pasep; por isso, só trabalhadores entre 1971 e 1988 têm direito.
> Depois, a Constituição Federal alterou as regras e o valor passou a ser do FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador), que paga o seguro-desemprego e o abono do PIS/Pasep.

Abono

> É pago anualmente para quem, no ano-base, trabalhou com carteira assinada ganhando até dois salários-mínimos.
> O valor é proporcional aos meses de trabalho, limitado ao salário mínimo do ano de saque.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia
Acerto de cadastro libera o saque imediato do PIS - Jornal do Comércio
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 20 de junho de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

benefícios

Notícia da edição impressa de 20/06/2018. Alterada em 20/06 às 01h00min

Acerto de cadastro libera o saque imediato do PIS

Brasília - A Caixa Econômica Federal inicia o pagamento das cotas do PIS para pessoas com idade superior a 70 anos (José Cruz/Agência Brasil)  Economia pagamento PIS foto José Cruz Agência Brasil.

Brasília - A Caixa Econômica Federal inicia o pagamento das cotas do PIS para pessoas com idade superior a 70 anos (José Cruz/Agência Brasil) Economia pagamento PIS foto José Cruz Agência Brasil.


JOSÉ CRUZ/AGÊNCIA BRASIL/JC

Falhas cadastrais e desinformação podem atrapalhar trabalhadores que tentarem sacar suas cotas do PIS/Pasep, liberadas na segunda-feira e pagas até 29 de junho para cotistas de 57 a 59 anos. A principal informação sobre o benefício é que só tem chance de recebê-lo o cidadão que teve registro na carteira profissional ou foi servidor público entre 1971 e 4 de outubro de 1988 e ainda não fez o saque. Outras restrições, porém, provavelmente só serão descobertas no banco.

Segundo a Caixa Econômica Federal, que paga o PIS, e o Banco do Brasil, responsável pelo Pasep, pendências no cadastro podem ser geradas por erros na numeração de documentos, no nome dos pais, no endereço e, em casos raros, por pessoas com nomes iguais, entre outros.

As falhas não impedem, entretanto, o acesso ao recurso. A correção é realizada em qualquer agência dos bancos pagadores. Caso o cidadão tenha em mãos a documentação necessária para a correção cadastral, o dinheiro poderá ser liberado imediatamente.

Além de documento oficial com foto, é possível que o cotista precise apresentar a carteira profissional, o CPF ou documentos específicos que possam servir de prova para a correção do cadastro. Situações específicas de homônimos podem exigir mais tempo para análise.

As agências do Banco do Brasil (BB) receberam na segunda-feira 25 mil cotistas do Pasep que sacaram R$ 33,7 milhões. Segundo o banco, 1,8 milhão de cotistas têm direito nesta primeira etapa. A Caixa não divulgou balanço do primeiro dia de saques, mas informou que 2,9 milhões de brasileiros podem receber os recursos nessa fase.

Quem aguardar até agosto para sacar os recursos receberá os valores corrigidos pelo rendimento anual do fundo. No último exercício (entre julho de 2016 e junho de 2017), por exemplo, o rendimento foi de 8,9%. Ainda não há um índice de reajuste para este ano, mas o ministro do Planejamento, Esteves Colnago, disse que a correção deve ficar entre 8% e 10%.

Entre agosto e setembro, cotistas de todas as idades terão acesso aos valores. Ao todo, 25 milhões deverão ser beneficiados.

O prazo para sacar o abono do PIS/Pasep de 2016, que é diferente da cota, termina no próximo dia 29. O valor pode chegar a R$ 954,00 (um salário-mínimo), dependendo da quantidade de meses de trabalho formal realizado durante o ano-base.

Para ter o benefício é preciso ter trabalhado ao menos 30 dias, com renda mensal média de até dois salários-mínimos, além de estar cadastrado no PIS/Pasep há pelo menos cinco anos. Funcionários de empresas privadas recebem na Caixa e servidores públicos, no Banco do Brasil.

Para sair do banco com o dinheiro na mão

> Os trabalhadores com idades entre 57 e 59 e que tiveram registro na carteira profissional ou foram servidores públicos entre 1971 e 4 de outubro de 1988 já podem sacar suas cotas do PIS/Pasep.
> Falhas cadastrais, porém, podem atrapalhar o beneficiário na hora de exigir o seu direito; veja abaixo o que pode dar errado e o que fazer para sair do banco com o dinheiro na mão.
NIS não cadastrado
Motivo
> O NIS (Número de Identificação Social) é cadastrado pelo patrão e pode ter ocorrido erro ao informá-lo ao trabalhador.
> Geralmente, o número é definido no primeiro registro e está na carteira de trabalho.
Como resolver
> O NIS está anotado na carteira de trabalho, mas se houver erro nessa anotação, há outros documentos onde o cidadão pode encontrá-lo.
> O extrato do Fundo de Garantia é um dos documentos que traz o número correto do NIS ou do PIS.
Dois números de PIS
Motivo
> O trabalhador que tira uma nova carteira de trabalho pode ter dois números de PIS.
> Nesse caso, o patrão, ao pegar a nova carteira, faz um registro diferente no Ministério do Trabalho
> Esse erro pode impedir o cadastro e a consulta dos valores.
Como resolver
> Atualmente, quando ocorre a emissão de uma nova carteira de trabalho, o sistema das Secretarias Regionais do Trabalho e Emprego consultam a base de dados para não criar um novo PIS ou NIS.
> No entanto, quem tirou carteira antes da digitalização do sistema pode ter dois números de PIS.
> Nesses casos, é preciso ir até a Caixa para unificar os registros
> Leve as carteiras de trabalho e o RG.
Erro no nome da mãe
Motivo
> Como o cadastro do trabalhador é feito pelo patrão, pode ser que o setor de RH tenha cometido algum erro.
> Outra falha comum é o nome estar informado de uma forma para o governo federal, mas ser registrado de outra nos documentos pessoais.
> Também há divergências quando a mulher se casa e muda de nome.
Como resolver
> É preciso procurar a Caixa, com os documentos de identificação da mãe, e pedir a correção no cadastro.
> Só será possível identificar qual é o erro indo até o banco; lá, um funcionário irá conferir o que precisa ser corrigido
> Nesses casos, é importante levar, além do RG, cópia da certidão de nascimento ou da certidão de casamento da mãe.
> Sistema não reconhece o RG informado.
Sistema não reconhece o RG informado
Motivo
> Quem cadastrou o PIS do trabalhador pode ter informado o RG errado.
Como resolver
> O trabalhador deverá procurar a Caixa, como número correto do RG.
> Somente ele poderá fazer essa atualização de cadastro ou correção de dados.

Calendário de pagamento

Quem poderá pegar o dinheiro:
> Cotistas com 57 a 59 anos de idade: até o dia 29 deste mês.
> Clientes da Caixa e do Banco do Brasil de qualquer idade: no dia 8 de agosto.
> Trabalhadores de qualquer idade que não são clientes dos bancos: de 14 de agosto a 29 de setembro.

Atenção

> Cotistas a partir de 60 anos têm direito ao saque a qualquer momento. Não confunda cota com abono do PIS.

Cota

> Até 1988, os patrões faziam depósitos individuais no fundo PIS/Pasep; por isso, só trabalhadores entre 1971 e 1988 têm direito.
> Depois, a Constituição Federal alterou as regras e o valor passou a ser do FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador), que paga o seguro-desemprego e o abono do PIS/Pasep.

Abono

> É pago anualmente para quem, no ano-base, trabalhou com carteira assinada ganhando até dois salários-mínimos.
> O valor é proporcional aos meses de trabalho, limitado ao salário mínimo do ano de saque.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia