Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 19 de junho de 2018.
Dia do Cinema Brasileiro.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

19/06/2018 - 16h36min. Alterada em 19/06 às 16h38min

Ouro fecha em baixa com fortalecimento do dólar em meio a tensões comerciais

O contrato futuro de ouro fechou em baixa nesta terça-feira (19), à medida que as preocupações com uma potencial guerra comercial entre os Estados Unidos e a China levaram mais investidores a buscar refúgio no dólar, elevando o índice de referência do dólar para os níveis mais altos neste ano.
Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o ouro para entrega em agosto fechou em queda de 0,12%, a US$ 1.278,60 por onça-troy. Mesmo sendo visto normalmente como refúgio, o ouro acabou não atraindo muitos compradores mesmo com uma forte agitação nos mercados devido à escalada protecionista do governo Donald Trump contra a China.
"O ouro foi ao abismo, apesar da intensificação das tensões comerciais nos mercados financeiros", disse o analista de pesquisa da FXTM Lukman Otunuga.
Para ele, "o driver por trás da depreciação do ouro continua sendo uma valorização do dólar. Com a moeda americana encontrando amplo apoio entre o sentimento otimista em relação à economia dos EUA e as expectativas de juros mais elevados, o metal amarelo pode estar pronto para uma nova punição".
Na avaliação do analista de commodities do Commerzbank Carsten Fritsch, "como a disputa comercial entre os EUA e a China está ameaçando aumentar, o sentimento entre os participantes do mercado está se tornando visivelmente mais sombrio".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia