Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Mercado Financeiro

12/06/2018 - 14h01min. Alterada em 12/06 às 14h05min

Bolsas da Europa fecham sem direção única com indicadores mistos e BCs no radar

As principais bolsas europeias fecharam sem direção única nesta terça-feira (12) com investidores evidentemente atentos aos desdobramentos da reunião entre o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, mas pautados também por fatores locais, como os indicadores de viés negativo na Alemanha e misto no Reino Unido.
As principais bolsas europeias fecharam sem direção única nesta terça-feira (12) com investidores evidentemente atentos aos desdobramentos da reunião entre o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, mas pautados também por fatores locais, como os indicadores de viés negativo na Alemanha e misto no Reino Unido.
Em Londres, houve particular foco em desdobramentos envolvendo governantes e legisladores britânicos que geraram ainda mais incerteza sobre o futuro das negociações do Brexit.
Não menos importante, agentes de mercado se movimentam ao sabor de expectativas sobre as sinalizações emitidas pelo Federal Reserve (Fed, o banco central americano), na quarta-feira, 13, e pelo Banco Central Europeu (BCE), na quinta-feira (14) às margens de decisões de política monetária já amplamente precificadas. O índice pan-europeu Stoxx 600 teve declínio de 0,11%, para os 387,53 pontos.
Logo cedo, ficou conhecido que a taxa de desemprego do Reino Unido ficou em 4,2% no trimestre até abril, inalterada em relação à dos três meses até março e mantendo-se no menor nível desde 1975, segundo o Escritório de Estatísticas Nacionais (ONS, na sigla em inglês). O resultado veio em linha com a previsão de analistas consultados pelo The Wall Street Journal.
A pesquisa do ONS também mostrou que os salários no Reino Unido, excluindo-se o pagamento de bônus, avançaram 2,8% na comparação anual do trimestre até abril, depois de subirem 2,9% nos três meses até março.
Na Alemanha, o índice de expectativas econômicas caiu de -8,2 em maio para -16,1 em junho, atingindo o menor nível desde setembro de 2012, informou o instituto ZEW. O resultado veio abaixo da expectativa de economistas, que previam queda do indicador a -15. Já o chamado índice para as condições atuais medido pelo ZEW recuou de 87,4 em maio para 80,6 em junho. Neste caso, a projeção do mercado também era de redução menor, a 84,2.
Nesse contexto, o FTSE 100, da Bolsa de Londres, desceu 0,43%, para os 7.703,81 pontos. Nesta praça, investidores observaram a renúncia inesperada do ministro júnior do Departamento de Justiça do Reino Unido, Phillip Lee, que atribuiu sua decisão à abordagem do governo britânico sobre o Brexit. Este é também o principal assunto na Câmara dos Comuns nesta terça e na quarta - parlamentares debatem sobre a possibilidade de obter algum controle do governo no âmbito do acordo para a saída da União Europeia. Ações do Royal Bank of Scotland recuaram 1,30%, enquanto as da BP caíram 1,38% e as da Glencore perderam 1,39%.
Em Frankfurt, o DAX 30 ficou estável, aos 12.842,30 pontos, recuperando-se parcialmente do viés negativo apresentado no último quarto de pregão. Em reação ao resultado da pesquisa do ZEW, o presidente do instituto alemão, Achim Wambach, comentou que "a recente escalada na disputa comercial com os Estados Unidos e temores de que o novo governo italiano persiga uma política que possa desestabilizar os mercados financeiros deixaram uma marca na perspectiva econômica da Alemanha". No índice acionário, o Deutsche Post (-2,48%), como é chamado o serviço de correios alemão, liderou as perdas, enquanto a tech Infineon escorregou 2,03% e a Bayer recuou 0,94%.
O CAC 40, da Bolsa de Paris, caiu 0,38%, para os 5.453,37 pontos. Na contramão da média do índice, os papéis do grupo varejista Casino subiram 1,76%, após o conglomerado anunciar na segunda-feira que planeja vender 1,5 bilhão de euros em ativos não estratégicos para acelerar a redução de seu endividamento na França.
Na Bolsa de Milão, o FTSE MIB fechou com ganho de 0,15%, aos 22.199,76 pontos. As ações da distribuidora de gás Italgas escalaram 2,90% e as da construtora de navios Fincantieri avançaram 1,92%.
Em Madri, o Ibex 35 teve alta de 0,16%, para os 9.914,40 pontos, enquanto, na Bolsa de Lisboa, o PSI 20 ascendeu 0,33%, para os 5.662,93 pontos.