Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

mercado financeiro

11/06/2018 - 10h15min. Alterada em 11/06 às 10h15min

Taxas futuras de juros recuam com leilões de títulos em meio ao Datafolha

Os juros futuros seguem em baixa em meio a expectativas pelos leilões de títulos do Tesouro e diante do pouco avanço dos pré-candidatos Jair Bolsonaro e Ciro Gomes na pesquisa Datafolha, divulgada neste domingo (10) em relação à sondagem anterior.
Os juros futuros seguem em baixa em meio a expectativas pelos leilões de títulos do Tesouro e diante do pouco avanço dos pré-candidatos Jair Bolsonaro e Ciro Gomes na pesquisa Datafolha, divulgada neste domingo (10) em relação à sondagem anterior.
Na sexta-feira (8), o dólar à vista caiu 5,35%, a R$ 3,7050 - maior queda porcentual desde 24 de novembro de 2008 -, e as taxas futuras fecharam em baixa, após forte alta pela manhã, e acentuaram o movimento após o Tesouro garantir a continuidade dos leilões extraordinários de NTN-F até o fim deste mês.
Na pesquisa Datafolha, em cenário sem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o deputado Jair Bolsonaro (PSL) continua à frente dos concorrentes, com 19%, seguido de Marina Silva (Rede), entre 14% e 15%, Ciro Gomes (PDT), entre 10 e 11%, Geraldo Alckmin (PSDB) com 7% e Alvaro Dias (Podemos) com 4%. Os votos brancos e nulos superam os de Bolsonaro.
Nas simulações de segundo turno, sem Lula, Bolsonaro aparece com 34%, empatado, considerando a margem de erro de 2 pontos porcentuais para mais ou para menos, com Ciro Gomes, que tem 36%. Bolsonaro só venceria a disputa contra o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, por 36% a 27%. Perderia de Marina, por 42% a 32%, e empataria com Geraldo Alckmin, ambos com 33%.
Às 9h37min desta segunda-feira (11) o DI para janeiro de 2019 estava a 7,130%, de 7,340% no ajuste de sexta-feira. O DI para janeiro de 2020 a 8,51%, de 8,71% no ajuste de sexta. O DI para janeiro de 2021 a 9,47%, de 9,58% no ajuste anterior. O DI para janeiro de 2023 estava em 10,91%, de 11,07% no ajuste de sexta-feira. E o DI para janeiro de 2025 a 11,56%, de 11,78% no ajuste anterior.