Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 10 de junho de 2018.
Dia da Língua Portuguesa.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado de finaceiro

Notícia da edição impressa de 11/06/2018. Alterada em 10/06 às 23h50min

Dólar recua a R$ 3,70, maior queda registrada desde 2008

Após o Banco Central anunciar uma oferta adicional de US$ 20 bilhões para frear a escalada do dólar, na sexta-feira, foi a vez de o Tesouro Nacional mostrar que tem munição para conter o pânico do mercado financeiro. O órgão anunciou que vai manter, nesta semana, os leilões diários de recompra de títulos públicos, para dar uma saída a investidores que querem se desfazer dos papéis da dívida brasileira e reduzir a pressão no mercado de contratos futuros de juros. 
A atuação conjunta do BC e do Tesouro surtiu efeito: depois de encostar nos R$ 4,00 na quinta-feira, o dólar desabou na sexta-feira. A moeda norte-americana fechou em queda de 5,35%, cotada a R$ 3,70, o maior recuo desde 24 de novembro de 2008, quando o País enfrentava o auge das turbulências provocadas pela crise financeira internacional originada pelos títulos sub prime do mercado de imóveis dos Estados Unidos. Os juros futuros também recuaram.
Analistas de mercado cambial afirmam, porém, que os investidores seguem muito sensíveis e que a instabilidade deve continuar nos próximos dias, reagindo principalmente a resultados de pesquisas eleitorais e ao cenário externo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia