Porto Alegre, quinta-feira, 03 de junho de 2021.
Corpus Christi. Dia Mundial do Administrador de Pessoal.
Porto Alegre,
quinta-feira, 03 de junho de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Cinema

- Publicada em 08h07min, 03/06/2021.

Dois jovens descobrem o amor em 'Verão de 85', novo filme de Francis Ozon

Benjamin Voisin e Félix Lefebvre estrelam longa francês, que estreia nesta quinta-feira (3)

Benjamin Voisin e Félix Lefebvre estrelam longa francês, que estreia nesta quinta-feira (3)


CALIFORNIA FILMES/DIVULGAÇÃO/JC
Resgatando o espírito dos anos 1980 para contar uma história sobre a descoberta do amor entre dois garotos, o longa Verão de 85 (FRA, 2020, 90 min) estreia nos cinemas brasileiros nesta quinta-feira (3). Em Porto Alegre, o filme é destaque na programação de Guion Center, GNC Moinhos e Espaço Itaú.
Resgatando o espírito dos anos 1980 para contar uma história sobre a descoberta do amor entre dois garotos, o longa Verão de 85 (FRA, 2020, 90 min) estreia nos cinemas brasileiros nesta quinta-feira (3). Em Porto Alegre, o filme é destaque na programação de Guion Center, GNC Moinhos e Espaço Itaú.
Dirigido por Francis Ozon e baseado em uma obra juvenil do escritor Aidan Chambers, Verão de 85 traz a história de Alex (Félix Lefebvre), de 16 anos, que passa as férias na Normandia e acaba salvo por David (Benjamin Voisin), de 18 anos. Para Alex, o rapaz se torna o amigo com quem sempre sonhou.
Para construir a atmosfera dos anos 1980, período no qual a história está ambientada, Ozon optou pelo uso de película, rodando em Super 16 ao invés do digital que se tornou comum na atualidade. Segundo o diretor, a escalação de Félix Lefebvre e Benjamin Voisin ocorreu antes mesmo de terminar o roteiro, levando em conta o contraste físico necessário entre os dois. Ambos foram indicados ao César, na categoria Revelação Masculina. O filme ainda inclui, em papéis coadjuvantes, Valeria Bruni Tedeschi e Melvil Poupaud, dois intérpretes recorrentes em trabalhos do diretor.

'Portuñol' entra em cartaz na Cinemateca Paulo Amorim

Produção visitou a fronteira do Brasil com quatro países - Uruguai, Argentina, Paraguai e Bolívia
Produção visitou a fronteira do Brasil com quatro países - Uruguai, Argentina, Paraguai e Bolívia
PEDRO CLEZAR/DIVULGAÇÃO/JC
Vencedor de melhor longa gaúcho no Festival de Cinema de Gramado de 2020, Portuñol estreia em Porto Alegre na sala Eduardo Hirt da Cinemateca Paulo Amorim (Andradas, 736). O documentário de 70 minutos de duração ocupará as sessões das 18h30min a partir desta quinta-feira (3).
No longa, a diretora Thais Fernandes e equipe visitam diversas regiões fronteiriças do Brasil para registrar a maneira como os idiomas se fundem e se entrelaçam no dia a dia da América Latina. Da mistura de culturas nasce o portuñol que dá título à produção. O filme está disponível também nas plataformas de streaming NOW, Oi Play e Vivo Play (via Canal Brasil) desde 18 de março.
“É um documentário de encontros”, resume Thais. "Este foi um dispositivo que eu achava importante: é um filme de viagem em que os encontros acontecem realmente na frente da câmera", explica a cineasta. A diretora não conhecia pessoalmente nenhum dos entrevistados antes das gravações. Em clima de animação, os moradores locais trazem à tela reflexões pessoais, músicas, poesias e ritmos desconhecidos do grande público brasileiro.
Os diálogos dos personagens alternam entre o português, o espanhol e o guarani. "A língua é invisível. Um dos nossos desafios foi transformar este fenômeno cultural em uma narrativa imagética", avalia Thais. Junto à reflexão do idioma, somou-se o conceito da fronteira: “Ao longo do caminho o espaço se perde, e o que importa já não é mais onde estamos, mas sim quem são as pessoas que constroem essa identidade latina diversa”.
A equipe buscou personagens que refletissem o espírito dessas regiões, e entre eles encontrou rappers indígenas, estudantes colombianos, poetas do portuñol selvagem, professores universitários e até um grupo da cumbia que canta em portunhol na divisa Brasil/Uruguai. "A letra de uma das músicas fala sobre o atravessar pra lá e pra cá entre países, de uma maneira divertida. O clima é de celebração latina", descreve Thais.
A distribuição é da Lança Filmes, com produção da Vulcana Cinema e coprodução da Epifania Filmes, Globo Filmes e GloboNews.
Comentários CORRIGIR TEXTO
Conteúdo Publicitário