Porto Alegre, quarta-feira, 17 de fevereiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 17 de fevereiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

exposição

- Publicada em 08h29min, 17/02/2021.

Pinturas e objetos refletem sobre patrimônio e memória no CHC Santa Casa

Com curadoria de Letícia Lau, Renata GalbinskiH questiona fronteiras materiais e imateriais

Com curadoria de Letícia Lau, Renata GalbinskiH questiona fronteiras materiais e imateriais


CAROL FORNASIER/DIVULGAÇÃO/JC
Com curadoria de Letícia Lau, a exposição Pintura, patrimônio e memória, da artista Renata GalbinskiH, está aberta para visitação no CHC Santa Casa (Independência, 75) - mediante agendamento pelo e-mail [email protected] Seguindo todos os protocolos de combate à transmissão de Covid-19, ela ficará em cartaz até 27 de março, de segunda a sexta-feira, das 10h às 17h.
Com curadoria de Letícia Lau, a exposição Pintura, patrimônio e memória, da artista Renata GalbinskiH, está aberta para visitação no CHC Santa Casa (Independência, 75) - mediante agendamento pelo e-mail [email protected] Seguindo todos os protocolos de combate à transmissão de Covid-19, ela ficará em cartaz até 27 de março, de segunda a sexta-feira, das 10h às 17h.
A mostra apresenta a produção de pinturas híbridas e objetos que foram desenvolvidos especialmente para o espaço expositivo do CHC Santa Casa. As obras propõem uma reflexão sobre as fronteiras das duas dimensões do patrimônio cultural: o material e o imaterial.
O patrimônio cultural é o conjunto de todos os bens, manifestações populares, cultos, tradições, tanto materiais quanto imateriais. Estes são reconhecidos por seus valores e importância histórica e cultural de uma região que adquire um valor único de durabilidade, simbólico e de representatividade.
Para estabelecer estas relações entre o patrimônio material e imaterial, a artista Renata GalbinskiH utiliza imagens de edificações tombadas do nosso estado, em especial das casinhas da Santa Casa para criar suas pinturas híbridas com colagem, fotografia e texto. Além de produzir relicários para tratar o patrimônio imaterial e das memórias de algumas pessoas que ocuparam e viveram no complexo de casas da Santa Casa que hoje é ocupado pelo Centro Histórico-Cultural, baseado no livro As Casinhas da Misericórdia de Porto Alegre - Memórias.
Renata busca trabalhar as narrativas contadas a partir da experiência e memória do lugar, a representação da edificação trazendo as imagens de fora para dentro do espaço e linkar com a experiência atual que o centro cultural oferece. Há uma tentativa de sobrepor os tempos para uma melhor compreensão dos valores do passado e do presente, reforçando a importância do patrimônio cultural material e imaterial através da arte. A exposição é composta por 14 obras com telas em grande formato, um painel com pinturas pequenas e relicários e alguns objetos antigos como menção à memória.
Comentários CORRIGIR TEXTO