Porto Alegre, quinta-feira, 04 de fevereiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 04 de fevereiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

artes visuais

- Publicada em 09h09min, 04/02/2021.

Exposição 'Decupagem' marca reabertura gradual do Instituto Ling ao público

Mostra reúne 29 obras e 90 documentos da artista plástica mineira Iole de Freitas

Mostra reúne 29 obras e 90 documentos da artista plástica mineira Iole de Freitas


CARLOS STEIN/VIVAFOTO/DIVULGAÇÃO/JC
Fechado desde março de 2020 em função da pandemia, o Instituto Ling (João Caetano, 440), em Porto Alegre, volta a receber o público gradualmente a partir desta quinta-feira (4). Com protocolos sanitários, haverá visitas agendadas e guiadas à mostra Decupagem, que reúne 29 obras e 90 documentos da artista plástica mineira Iole de Freitas.
Fechado desde março de 2020 em função da pandemia, o Instituto Ling (João Caetano, 440), em Porto Alegre, volta a receber o público gradualmente a partir desta quinta-feira (4). Com protocolos sanitários, haverá visitas agendadas e guiadas à mostra Decupagem, que reúne 29 obras e 90 documentos da artista plástica mineira Iole de Freitas.
Os agendamentos gratuitos devem ser feitos pelo site do espaço, com horários disponíveis para quintas, sextas-feiras e sábados, às 14h, 15h30min ou 17h, sendo permitida a entrada de grupos de até cinco pessoas por vez, que serão acompanhadas pela equipe do programa educativo do centro cultural e terão duração total de uma hora, podendo incluir também uma passagem pelas obras do acervo permanente de arte contemporânea da instituição. A distribuição dos catálogos da exposição será feita virtualmente, com o envio da versão digital para o e-mail dos visitantes. 
Com curadoria de João Bandeira, Decupagem apresenta objetos que refazem o percurso artístico de Iole de Freitas em mais de 40 anos de atuação. A mostra contempla desde os primeiros trabalhos da artista mineira, criados na década de 1970 em Super 8; passando pelas investigações do espaço real, que buscavam a integração das obras com o ambiente arquitetônico na década de 1980; e pelas produções mais recentes, em estrutura de aço inox recortado. Há ainda esculturas em diversos outros materiais, como fio de cobre e latão, além de fotografias, maquetes e desenhos.
A exposição itinerante estreou em 2018 no Instituto de Arte Contemporânea de São Paulo, o IAC, e ocupou também a Casa Firjan, no Rio de Janeiro, em 2019. Em Porto Alegre, a mostra cronológica chega com três novas obras, sendo uma delas inédita, criada no início de 2020, em aço inox com pintura artesanal, especialmente para ocupar a galeria do Instituto Ling.
Por conta da pandemia, o processo de montagem da exposição foi realizado em um novo formato, com a presença apenas da equipe do Instituto Ling no prédio e com participação remota, feita por ligações de vídeo, da artista, do curador, assim como do arquiteto Marcus Vinícius Santos, responsável pela expografia. O resultado são 25 obras fixadas nas paredes da galeria, uma escultura sobre base e cinco vitrines, dispostas no espaço de exposição, que abrigam a documentação. Já os três filmes que também fazem parte da mostra serão exibidos em outro espaço do centro cultural, dedicado somente à projeção.
“A noção de decupagem, significando ações que produzem continuidades a partir de recortes, poderia caracterizar sumariamente a extensa produção de Iole de Freitas, em mais de quatro décadas de atividade artística – e, paralelamente, a proposta da curadoria. Como se pode ver nas obras e documentos desta exposição, desde os anos 1970 seu trabalho se desdobra em continuidades que, em boa parte, vivem de sua disposição entrecortada. Da faca que avança rompendo um tecido, em um de seus filmes daquela época, até os desvios que tubos metálicos e placas de policarbonato impõem a si mesmos, recortando os grandes espaços onde se instalam enquanto se lançam vigorosamente neles, em obras mais recentes”, destaca Bandeira em seu texto curatorial.
Comentários CORRIGIR TEXTO