Porto Alegre, quarta-feira, 18 de novembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 18 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

cinema

- Publicada em 18h41min, 18/11/2020.

Documentário de Bárbara Paz sobre Babenco representa Brasil no Oscar

'Babenco - Alguém tem que ouvir o coração e dizer: parou' estreia nos cinemas em 26 de novembro

'Babenco - Alguém tem que ouvir o coração e dizer: parou' estreia nos cinemas em 26 de novembro


IMOVISION/DIVULGAÇÃO/JC
A Academia Brasileira de Cinema e Artes Audiovisuais (ABC) anunciou nesta quarta-feira (18) o longa que vai representar o Brasil na disputa por uma vaga na categoria Melhor Filme Internacional no Oscar 2021: Babenco - Alguém tem que ouvir o coração e dizer: parou. Documentário de Bárbara Paz sobre Hector Babenco, um dos maiores cineastas do País, revela como o seu amor pelo cinema o manteve vivo por tantos anos.
A Academia Brasileira de Cinema e Artes Audiovisuais (ABC) anunciou nesta quarta-feira (18) o longa que vai representar o Brasil na disputa por uma vaga na categoria Melhor Filme Internacional no Oscar 2021: Babenco - Alguém tem que ouvir o coração e dizer: parou. Documentário de Bárbara Paz sobre Hector Babenco, um dos maiores cineastas do País, revela como o seu amor pelo cinema o manteve vivo por tantos anos.
É o primeiro título do gênero a ser escolhido pelo Comitê de Seleção, composto por profissionais do audiovisual indicados pela Academia. A entidade independente que representa os profissionais da indústria, neste ano, foi reconhecida oficialmente pela Academy of Motion Picture, Arts and Sciences (AMPAS) como única responsável pela seleção.
Presidido por Viviane Ferreira (diretora e roteirista), o comitê foi composto por André Ristum (diretor e roteirista), Clélia Bessa (produtora), Leonardo Monteiro de Barros (produtor de cinema e TV), Lula Carvalho (diretor de fotografia), Renata Maria de Almeida Magalhães (produtora) e Toni Venturi (diretor).
Ao todo, foram 19 longas inscritos – a lista completa está no site da ABC. Em decorrência da pandemia de Covid-19, o Oscar será no dia 25 de abril de 2021.
“É uma maravilha isso, é o primeiro documentário a ser escolhido pelo Brasil a competir. É uma surpresa maravilhosa, o Hector merecia muito isso. Eu acho que o amor venceu”, comenta a diretora Bárbara Paz.
“Recebemos com enorme alegria a escolha de Babenco - Alguém tem que ouvir o coração e dizer: parou pra representar o Brasil na corrida pelo Oscar. Ao mesmo tempo que é uma enorme alegria, é uma enorme responsabilidade. Faremos essa campanha com muita dedicação e orgulho. Temos um filme lindo e muito especial nas mãos”, afirma o coprodutor Fabiano Gullane.
Com estreia nos cinemas brasileiros marcados para a próxima quinta-feira, 26 de novembro, o longa já foi selecionado para mais de 20 festivais internacionais e estreou mundialmente no Festival de Veneza de 2019, recebendo o prêmio de Melhor Documentário na Mostra Venice Classics e o prêmio Bisato D’Oro 2019 (Prêmio Paralelo ao 76º Festival Internacional de Cinema de Veneza dado pela crítica Independente).
No início de 2020, o filme conquistou o prêmio de Melhor Documentário no Festival internacional de Cinema de Mumbai, na Índia. O filme também já foi selecionado para o festival do Cairo, Festival de Havana, Festival de Mar del Plata, Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, Festival do Rio, Mostra de Tiradentes, Festival de Aruanda, FIDBA (Festival Internacional de Cinema Documental), na Argentina,Baltic Sea Docs, na Letônia e para o Mill Valley Film Festival, nos Estados Unidos.
Comentários CORRIGIR TEXTO