Porto Alegre, segunda-feira, 16 de novembro de 2020.
Dia Internacional da Tolerância.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 16 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

televisão

- Publicada em 16h58min, 16/11/2020.

Documentário sobre obra de Dorival Caymmi estreia no Canal Curta!

'Dorivando Saravá, o preto que virou mar' revela trechos antigos de entrevistas do músico

'Dorivando Saravá, o preto que virou mar' revela trechos antigos de entrevistas do músico


CANAL CURTA!/DIVULGAÇÃO/JC
O documentário experimental Dorivando Saravá, o preto que virou mar, do diretor Henrique Dantas, estreia no Canal Curta! nesta segunda-feira (16), às 22h20min. O longa reúne depoimentos, lembranças e reflexões de artistas como Gilberto Gil, Tom Zé, Jussara Silveira, Tiganá Santana, Arlete Soares, Adriana Calcanhotto, entre outros que conviveram ou regravaram a obra de Dorival Caymmi.
O documentário experimental Dorivando Saravá, o preto que virou mar, do diretor Henrique Dantas, estreia no Canal Curta! nesta segunda-feira (16), às 22h20min. O longa reúne depoimentos, lembranças e reflexões de artistas como Gilberto Gil, Tom Zé, Jussara Silveira, Tiganá Santana, Arlete Soares, Adriana Calcanhotto, entre outros que conviveram ou regravaram a obra de Dorival Caymmi.
A produção será exibida também nos seguintes dias: terça-feira (17), às 2h20min e às 16h20min; quarta-feira (18), às 10h20min; sábado (21), às 15h20min, e domingo (22), às 22h20min. O filme aborda conceitos presentes na vida e obra do músico e apresenta falas reveladoras do compositor, achados em antigas entrevistas radiofônicas, nas quais ele mostra alguns de seus posicionamentos estéticos e políticos. No documentário, Caymmi é representado como uma maneira de ser, de existir, de pensar.
Caymmi, falecido em 2008, foi o primeiro a cantar os orixás do candomblé na música popular brasileira. Ele transportou para a música e para a pintura, outro de seus talentos, sua religiosidade, os misticismos de um povo e toda uma poética fortemente ligada à praia. O filme segue uma linha poética em que o artista transcende a morte: "Caymmi, portanto, não morreu. Virou mar".
Comentários CORRIGIR TEXTO