Porto Alegre, quarta-feira, 23 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 23 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

cinema

- Publicada em 14h38min, 07/09/2020.

Cine África 2020 migra para a plataforma on-line

'Fronteiras' (2017), de Apolline Traoré (Burkina Faso), é atração de abertura de mostra virtual

'Fronteiras' (2017), de Apolline Traoré (Burkina Faso), é atração de abertura de mostra virtual


LES FILMES SELMON/DIVULGAÇÃO/JC
Roberta Requia
Para não perder a temporada do ano de pandemia, festivais e mostras de cinema estão se adaptando ao formato on-line durante o período de isolamento social. Não foi diferente com a Mostra de Cinemas Africanos que, em parceria com o CineSesc, adaptou o Cine África 2020 para a plataforma on-line. Na ativa desde 2018, quando teve sua primeira edição em Salvador, a mostra já passou por capitais como Porto Alegre e São Paulo, e agora estreia seu virtualmente com exibições de filmes de diversos países da África, entrevista com diretores, live e um curso gratuito. Nos destaques da mostra, estão títulos de Burkina Faso, Camarões, Egito, Etiópia, Nigéria, Quênia, Senegal e Sudão.
Para não perder a temporada do ano de pandemia, festivais e mostras de cinema estão se adaptando ao formato on-line durante o período de isolamento social. Não foi diferente com a Mostra de Cinemas Africanos que, em parceria com o CineSesc, adaptou o Cine África 2020 para a plataforma on-line. Na ativa desde 2018, quando teve sua primeira edição em Salvador, a mostra já passou por capitais como Porto Alegre e São Paulo, e agora estreia seu virtualmente com exibições de filmes de diversos países da África, entrevista com diretores, live e um curso gratuito. Nos destaques da mostra, estão títulos de Burkina Faso, Camarões, Egito, Etiópia, Nigéria, Quênia, Senegal e Sudão.
Entre quinta-feira (10) e 26 de novembro, todas as quintas-feiras, o evento apresentará filmes e documentários selecionados pela curadoria da mostra. Ao todo serão 12 sessões, sendo 10 longas e dois programas de curtas, acompanhado de uma entrevista exclusiva com o diretor ou diretora, que estarão disponíveis a cada quinta-feira na plataforma do Sesc Digital.
Segundo a curadora da mostra, a jornalista e produtora cultural Ana Camila Esteves, a seleção busca divulgar e dar espaço para produções africanas contemporâneas que tenham tido trajetória em festivais encerrados, mas que não tenham tido visibilidade nos circuitos de exibição do Brasil: "Por conta disso, a seleção varia entre filmes contemporâneos e outros mais antigos, sempre com a intenção de fazer um panorama de determinados períodos das cinematografias africanas, estimulando a curiosidade do público brasileiro". Para ela, o maior objetivo da seleção é criar uma janela de exibição dos filmes africanos para a audiência brasileira, através das exibições. "Os cinemas africanos existem como qualquer outra cinematografia e nossa intenção é que o público em geral, os cinéfilos, os críticos e os programadores de festivais no Brasil vejam os cinemas africanos como cinema, como qualquer outro cinema."
Também está previsto para o dia 2 de outubro, às 17h, um bate-papo com o tema Cinemas africanos em contexto digital, no canal do CineSesc no YouTube. Participam do bate-papo Ana Camila Esteves, Marina Gonzaga e Jorge Cohen (Angola). Outra atração é o curso gratuito Cinemas Africanos: trajetórias e perspectivas, com duração de três meses e lançamento do e-book ao final da temporada. As inscrições abrem no dia 10 de setembro, às 14h, pelo site do SescSP e serão oferecidas 35 vagas.
O filme de abertura do Cine África é o drama Fronteiras, da diretora Apolline Traoré, que acompanha quatro mulheres que fazer uma perigosa viagem do Senegal à Nigéria. Entre os destaques inéditos está a comédia aKasha, de 2019, de Hajooj Kuka, primeiro longa de ficção do cineasta e ativista sudanês, que teve sua estreia no Festival de Toronto. Outros títulos importantes são Nada de errado, documentário coletivo sobre imigrantes africanos (legais e ilegais) na Suíça, e o drama queniano Supa Modo, sobre uma menina com uma doença terminal que sonha ser uma super heroína.

Programação completa do Cine África

(disponível em https://sesc.digital/home)
Setembro
10/09 (qui) - Fronteiras, de Apolline Traoré (Burkina Faso, 2017) - Drama - 91 min
17/09 (qui) - O enredo de Aristóteles, de Jean-Pierre Bekolo (Camarões, 1996) - Comédia - 71 min
24/09 (qui) - aKasha, de Hajooj Kuka (Sudão, 2019) - Comédia - 78 min
Outubro
01/10 (qui) - Lua Nova, de Philippa Ndisi-Hermann (Quênia, 2019) - Documentário - 70 min
02/10 (sex), às 17h - Cinema da Vela - com o tema Cinemas africanos em contextos digitais. Participantes: Ana Camila Esteves (Brasil), Marina Gonzaga (Brasil/França) e Jorge Cohen (Angola)
08/10 (qui) - O fantasma e a casa da verdade, de Akin Omotoso (Nigéria, 2019) - Drama - 107 min
15/10 (qui) - Rosas venenosas, de Fawzi Saleh (Egito, 2018) - Drama - 70 min
22/10 (qui) - Madame Brouette, de Moussa Sene Absa (Senegal, 2002) - Drama - 101 min
29/10 (qui) - Beyond Nollywood - Sofrendo e sorrindo (Nigéria) - Programa de curtas - 99 min
Novembro
05/11 (qui) - Nada de errado, de vários diretores (Suíça, 2019) - Documentário - 49 min
12/11 (qui) - O preço do amor, de Hermon Hailay (Etiópia, 2015) - Drama - 99 min
19/11 (qui) - Quartiers Lointains - Afrofuturismo (diáspora francesa) - Programa de curtas - 100 min
26/11 (qui) - Supa Modo, de Likarion Wainaina (Quênia, 2018) - Drama - 74 min
Comentários CORRIGIR TEXTO