Porto Alegre, sábado, 18 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 18 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

LANÇAMENTO

- Publicada em 13h25min, 02/07/2020. Alterada em 13h27min, 02/07/2020.

Jocy de Oliveira apresenta ópera filmada e livro sobre intertextualidade de mídias

Veterana artista estreia 'Liquid Voices - A história de Mathilda Segalescu' em VoD nesta quinta-feira

Veterana artista estreia 'Liquid Voices - A história de Mathilda Segalescu' em VoD nesta quinta-feira


BRETZ FILMES/DIVULGAÇÃO/JC
Nesta quinta-feira (2), estreia em VoD (video on demand) o título Liquid Voices - A história de Mathilda Segalescu, ópera feita para o cinema pela compositora, autora e pianista Jocy de Oliveira, primeira mulher a ter uma ópera encenada no Teatro Municipal de São Paulo, em 1994. O lançamento original seria nos cinemas, mas por conta da pandemia, entra direto no streaming, estando disponível no NOW, Looke e VivoPlay.
Nesta quinta-feira (2), estreia em VoD (video on demand) o título Liquid Voices - A história de Mathilda Segalescu, ópera feita para o cinema pela compositora, autora e pianista Jocy de Oliveira, primeira mulher a ter uma ópera encenada no Teatro Municipal de São Paulo, em 1994. O lançamento original seria nos cinemas, mas por conta da pandemia, entra direto no streaming, estando disponível no NOW, Looke e VivoPlay.
O filme é a nona ópera de Jocy - artista multimídia de 84 anos - e já foi premiado em diversos festivais pelo mundo. O longa é uma ficção baseada em um evento real da Segunda Guerra, o naufrágio do navio Struma, embarcação que saiu da Europa para a Romênia em 1941, levando 769 refugiados judeus com a promessa de chegar em segurança à Palestina, mas que teve apenas um sobrevivente.
De forma ficcional, Liquid Voices mostra o abandono de refugiados que continua presente até hoje. O único sobrevivente do naufrágio é o piano da personagem central ficcional, a célebre cantora judia refugiada Mathilda Segalescu (vivida pela atriz e soprano Gabriela Geluda). O instrumento é encontrado por um pescador árabe (interpretado pelo ator e tenor Luciano Botelho). Como uma caixa preta do desastre, o piano traz o espectro de Mathilda, por quem o pescador se apaixona. Ela aparece todas as noites para contar-lhe sua trágica diáspora. 
A diretora, homenageada em 2018 na FLIP e vencedora do prêmio Jabuti em 2015, está lançando junto ao filme o livro Além do roteiro (Faria e Silva Editora, 152 págs., R$ 119,90), baseado no longa e que reflete sobre a intertextualidade das linguagens de narrativa artística em diversas expressões culturais (música, teatro, cinema).
A obra literária traz o roteiro do longa de Jocy Oliveira, contendo diversas fotos da ópera multimídia encenada em teatro no Sesc/SP e das filmagens da ópera cinemática no Cassino da Urca, no Rio de Janeiro, além de todas as partituras musicais do filme. Na publicação, a autora explica o desafio de conceber simultaneamente dois roteiros visando uma montagem teatral e outra para o cinema, além de reflexões curiosas sobre a comparação das linguagens poética, teatral e cinemática, que podem ser constatadas pelas soluções de diferentes cenas sob a ótica do teatro e do cinema.
Além do roteiro é o sexto livro de Jocy de Oliveira, outros foram publicados no Brasil, Estados Unidos, França e Suíça.
Comentários CORRIGIR TEXTO