Porto Alegre, quinta-feira, 24 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 24 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

artes cênicas

- Publicada em 18h16min, 30/06/2020.

Atriz encena peça ao vivo de Barão de Cotegipe na noite desta terça-feira

Cléo de Paris faz as cenas nos jardins do casarão da família, à luz de velas e abajur

Cléo de Paris faz as cenas nos jardins do casarão da família, à luz de velas e abajur


FÁBIO PENNA/DIVULGAÇÃO/JC
A atriz gaúcha Cléo de Paris encena o espetáculo Desamparos, ao vivo de Barão de Cotegipe, no Interior do Rio Grande do Sul, sua pequena cidade natal de sete mil habitantes e onde mora sua família - local eleito para passar a quarentena. As lives semanais ocorrem sempre nas terças-feiras, das 22h às 22h20min, pelo Instagram @cleodeparis.
A atriz gaúcha Cléo de Paris encena o espetáculo Desamparos, ao vivo de Barão de Cotegipe, no Interior do Rio Grande do Sul, sua pequena cidade natal de sete mil habitantes e onde mora sua família - local eleito para passar a quarentena. As lives semanais ocorrem sempre nas terças-feiras, das 22h às 22h20min, pelo Instagram @cleodeparis.
A cada semana, será uma montagem diferente. Todas ficam disponíveis no IGTV (@cleodeparis) e Vimeo da atriz.
Cléo De Páris e Fábio Penna são integrantes da cia. teatral paulistana Os Satyros e amigos de longa data, e agora estão reunidos na nova missão. O início do projeto se deu de forma inesperada, pouco antes do isolamento social. Penna passava alguns dias na casa de Cléo por conta de uma filmagem nas proximidades, e acabou tendo que permanecer lá. A atriz, por sua vez, precisou fazer uma viagem à sua cidade, e assim tiveram que vir juntos para o Sul.
Com textos de Cléo e fragmentos de outros autores, as peças são dirigidas por Penna e interpretadas pela atriz nos jardins e no interior de um casarão da sua família. A cena, um híbrido de teatro e cinema, é itinerante e apresentada à luz de velas e abajur, utilizando-se de elementos que fizeram parte da infância da atriz, como suas bonecas, outros objetos e até mesmo o som dos sinos da cidade, que fazem as vezes de terceiro sinal. 
Cléo costuma chamar a pequena Barão de Cotegipe de "sua Macondo", uma referência à aldeia criada por Gabriel García Márquez em A revoada e consagrada em Cem anos de solidão. E é precisamente neste lugar, inspirados pela atmosfera do casarão em que cumprem a quarentena, que surge a ideia do projeto.
O nome Desamparos - assim como boa parte dos textos - veio do blog Pueril, que ela manteve durante muito tempo no UOL. Há também nas lives textos de Rainer Maria Rilke, Florbela Espanca, Cecília Meireles, Milan Kundera, entre outros.
Comentários CORRIGIR TEXTO