Porto Alegre, segunda-feira, 06 de abril de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre, segunda-feira, 06 de abril de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Música

06/04/2020 - 19h24min. Alterada em 06/04 às 19h42min

Com site repaginado, Nei Lisboa adapta seu trabalho ao período de isolamento

Artista pretende fazer transmissões ao vivo pela internet

Artista pretende fazer transmissões ao vivo pela internet


CINTIA BELLOC/DIVULGAÇÃO/JC
Igor Natusch
A necessidade de isolamento provocada pela chegada do novo coronavírus ao Brasil está forçando os artistas brasileiros a um esforço de reinvenção. Não apenas para garantir o próprio sustento, é claro, mas também para atingir o público enquanto os palcos, galerias e sala de exibição seguem de portas fechadas. Com boa parte da agenda interrompida, o cantor e compositor Nei Lisboa resolveu buscar, de uma forma bastante pessoal, a solução que muitos músicos têm usado para contornar o momento de afastamento: a internet.
A necessidade de isolamento provocada pela chegada do novo coronavírus ao Brasil está forçando os artistas brasileiros a um esforço de reinvenção. Não apenas para garantir o próprio sustento, é claro, mas também para atingir o público enquanto os palcos, galerias e sala de exibição seguem de portas fechadas. Com boa parte da agenda interrompida, o cantor e compositor Nei Lisboa resolveu buscar, de uma forma bastante pessoal, a solução que muitos músicos têm usado para contornar o momento de afastamento: a internet.
Desde o final de março, o site oficial do artista (neilisboa.com.br) está com uma nova cara, repaginado dentro do conceito Em casa e (ao) vivo. A ideia, explica Nei, é ter um espaço mais dinâmico e aberto a interações, num formato mais adequado a um momento no qual todo mundo precisa ficar dentro de casa.
"A gente está vivendo uma situação inusitada, sem paralelos. Nunca vivemos uma situação de confinamento em momento nenhum da vida brasileira, então são muitas coisas novas com as quais a gente tem que lidar", argumenta. "A reclusão traz a dificuldade de convívio, que a gente tem que contornar de alguma forma, e também uma questão essencial para quem vivia do palco e do público, que é viabilizar seu próprio sustento. Então, a página veio para cumprir essas funções: ajudar nesse contato meu com as pessoas, na questão da sobrevivência e também criar um espaço de expressão para o que eu tenho a dizer no momento."
O espaço Em casa e (ao) vivo conta com blog, espaço para vídeos e links para a discografia do músico em aplicativos de streaming. Há também uma janela, conectada à plataforma Sympla, que permite contribuições para a "lista da semana" - pequenas necessidades de um estúdio musical em tempos de pandemia (como café em pó, internet e o indefectível álcool gel) que podem ser bancadas pelos fãs que visitam o site. Para breve, a ideia é fazer transmissões ao vivo, a exemplo das lives promovidas recentemente por muitos artistas do Brasil e do exterior.
"Quero chamar outras pessoas para um bate-papo, fazer um showzinho pocket ao vivo", comenta. Uma das inspirações para esse formato é o músico norte-americano Neil Young, que vem realizando pequenas apresentações a partir de sua propriedade no interior dos EUA. "Ele tem um aplicativo (Neil Young Archives, disponível no Google Play), que agora inclui uma seção de vídeos. É apenas ele, sozinho em sua fazenda, com seu violão e a gaitinha, tocando em meio à névoa. Acaba criando uma baita atmosfera, é algo bem bacana de se assistir."
Além de servir para manter quente o contato entre música e artista, o novo ambiente virtual de Nei Lisboa também deve trazer atualizações a respeito de uma novidade bastante aguardada: o novo disco de estúdio do compositor. Algumas músicas, como Capitão do mato, Nós é que vivemos e Foi vc quem convidou, já vinham aparecendo ao vivo desde ao menos o ano passado, incluídas nos shows comemorativos aos 40 anos de carreira do músico.
Em conversa com o Jornal do Comércio no final do ano passado, Nei deixou clara a intenção de gravar, mas ressaltou que precisava de tempo - significando, no caso, "não ter nada pela frente, agenda totalmente vazia". Chegou a brincar que, com "dois meses na praia", sairia com o disco debaixo do braço. Embora não traga as delícias de uma temporada no litoral, o isolamento forçado pela Covid-19 é uma oportunidade incomum para debruçar-se sobre novas composições. Dito tudo isso, a última pergunta da entrevista era inevitável: agora vai?
A resposta, ao menos se depender do próprio Nei Lisboa, é sim. "Esse momento - que não se sabe quanto vai durar, mas tem essa perspectiva de uns bons meses pela frente - acaba sendo, para o compositor, uma coisa até certo ponto interessante", pondera. "No verão, esse projeto (do novo álbum) ficou meio de lado, porque eu estava fazendo vários shows. Agora, mesmo lidando com as atualizações do site, vou ter mais tempo. Então, talvez agora seja a hora de acrescentar, compor alguma coisa a mais, e aprontar tudo com vistas a lançar mais adiante". Por meio de Em casa e (ao) vivo, os fãs poderão acompanhar o processo de concretização de mais esse projeto.