Porto Alegre, sexta-feira, 13 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Campeonato Gaúcho

Notícia da edição impressa de 09/03/2020. Alterada em 13/03 às 19h52min

Protocolar, mas vitorioso

Com a perspectiva de um explosivo Grenal pela Libertadores da América no horizonte, não era de se esperar uma atuação vibrante do Grêmio contra o Pelotas, ontem, fora de casa, pelo Campeonato Gaúcho. De fato, foi um jogo que começou quente, mas logo esfriou - e o 1 a 0 a favor do Tricolor resume bem a superioridade preguiçosa dos reservas do Tricolor.
Com a perspectiva de um explosivo Grenal pela Libertadores da América no horizonte, não era de se esperar uma atuação vibrante do Grêmio contra o Pelotas, ontem, fora de casa, pelo Campeonato Gaúcho. De fato, foi um jogo que começou quente, mas logo esfriou - e o 1 a 0 a favor do Tricolor resume bem a superioridade preguiçosa dos reservas do Tricolor.
Na verdade, dizer que a partida teve um início agitado é um eufemismo. Em menos de três minutos, o Tricolor já abria o placar. Em lançamento primoroso de Darlan, Pepê surgiu livre para invadir a área, deslocar Douglas Silva e marcar. Logo em seguida, o Pelotas quase empatou: chutaço do Felipe Guedes de fora da área, Paulo Victor vencido no lance e bola no travessão.
Após esse começo elétrico, a partida diminuiu a rotação, mas seguiu bastante disputada. E tensa, também. Michel Schmöller fez falta duríssima em Pepê, mas levou apenas o amarelo, mesmo com muito protesto dos gremistas. A partir de então, o árbitro Lucas Horn passou a ser pressionado pelos dois times, causando muitas interrupções. Quando a bola rolava, o Pelotas chegava com mais ímpeto, forçando Paulo Victor a algumas boas defesas.
O segundo tempo, por sua vez, foi de doer. Com a defesa gremista melhor postada, o Lobão mostrou-se incapaz de criar chances - e, como o próprio Tricolor pouco interesse tinha no jogo, instalou-se em campo uma pasmaceira das mais entediantes. Do lado gremista, a maior emoção veio aos 17 mins da etapa final: Thiago Neves, de atuação apagada, foi substituído por Jean Pyerre, de volta aos gramados depois de mais de cinco meses. Fora isso, porém, quase nada aconteceu, e os três pontos ficaram de bom tamanho para um Grêmio que não mostrou nada de mais.