Porto Alegre, quarta-feira, 04 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

teatro

Notícia da edição impressa de 04/03/2020. Alterada em 04/03 às 03h00min

Nathalia Timberg volta a Porto Alegre com a peça 'Através da Iris'

Atriz encarna 'estrela geriátrica' no espetáculo, em cartaz neste fim de semana no Theatro São Pedro

Atriz encarna 'estrela geriátrica' no espetáculo, em cartaz neste fim de semana no Theatro São Pedro


RODRIGO LOPES/DIVULGAÇÃO/JC
Igor Natusch
"O analista, quando se propõe a estudar a mente humana, procura entendê-la de fora. O ator vai mais longe, porque ele precisa tentar entender e, depois, assumir essa personalidade." Além de um potente resumo do ofício de atuar, a frase de Nathalia Timberg traduz boa parte do espírito da peça Através da Iris, que estará no Theatro São Pedro (Praça Mal. Deodoro, s/nº) de sexta-feira (6) a domingo (8). Afinal, o espetáculo trata-se quase literalmente de virar outra pessoa: a atriz, que completou nove décadas de vida no ano passado, assume o visual extravagante e as frases marcantes de Iris Apfel, nova-iorquina que, com 97 anos, segue sendo uma das maiores personalidades da moda internacional.
"O analista, quando se propõe a estudar a mente humana, procura entendê-la de fora. O ator vai mais longe, porque ele precisa tentar entender e, depois, assumir essa personalidade." Além de um potente resumo do ofício de atuar, a frase de Nathalia Timberg traduz boa parte do espírito da peça Através da Iris, que estará no Theatro São Pedro (Praça Mal. Deodoro, s/nº) de sexta-feira (6) a domingo (8). Afinal, o espetáculo trata-se quase literalmente de virar outra pessoa: a atriz, que completou nove décadas de vida no ano passado, assume o visual extravagante e as frases marcantes de Iris Apfel, nova-iorquina que, com 97 anos, segue sendo uma das maiores personalidades da moda internacional.
A peça é de autoria de Cacau Hygino, com direção de Maria Maia. As sessões ocorrem às 21h, com exceção de domingo, às 19h. Os ingressos, entre R$ 50,00 e R$ 120,00, podem ser adquiridos no site ou na bilheteria do teatro.
Figura notória pelas ideias arrojadas e pela disposição para experimentações, Iris e seu marido, Carl Apfel, viajavam o mundo em busca de tecidos inusitados para seus clientes famosos, que incluem nada menos que nove mandatos diferentes na Casa Branca. Aos 84 anos, ao virar tema de uma exposição no Metropolitan Museum de Nova York, a designer transformou-se em uma celebridade da cultura pop norte-americana e mundial - uma "estrela geriátrica", como menciona Nathalia Timberg em conversa com o Jornal do Comércio.
Para reproduzir a sagacidade de Iris Apfel em cima do palco, Através da Iris simula uma entrevista, na qual a ícone da moda abre sua casa para uma equipe jornalística. Misturando a interpretação de Nathalia com projeções de vídeos sobre o cenário, a encenação vai além da simples homenagem, propondo uma reflexão sobre a capacidade humana de existir, questionar e criar, em qualquer momento da vida.
A reação do público ao que acontece no palco segue fascinando a atriz, quase dois anos depois da estreia da peça. "Às vezes, parece que eles estão saindo de uma grande aula de filosofia", descreve. "A Iris Apfel é uma pessoa capaz de ser muito crítica, mas sempre com um humor afiado e com brincadeiras também. E é por isso que (o que é dito na peça) fica, porque é leve, é divertido e, ao mesmo tempo, traz uma visão muito aguda sobre as coisas do mundo."
Levando em conta essa temática, a escolha de Nathalia Timberg para o monólogo está longe de surpreender. A seu modo, a atriz de 90 anos faz de sua própria trajetória um testemunho de que a potência de arte e de vida nunca se esgota.
Com mais de 100 obras em sua extensa carreira, ela segue fascinada e empolgada com os desafios de seu ofício. "Quando você enfrenta um personagem, depois de observá-lo com sua forma de ver, de ser e de tudo que compõe o seu pensamento, você deixa isso de lado e procura assumir um outro que não é o seu. Isso é algo bonito, é muito enriquecedor. O que ela (Iris Apfel) tem de explosão, de mostrar e de se mostrar, é diferente do meu jeito de ser. Eu não sou uma pessoa interessada em moda, não é um tema que me atraia a ponto de me debruçar sobre ele, então tenho que deixar a Nathalia em casa", explica.
Não pense, contudo, que essa vivência toda facilita as coisas na hora em que as cortinas se abrem. "Só fica mais fácil se você for superficial", diz Nathalia, enfática. "À medida que você vai amadurecendo, espera-se que vá vendo as coisas de uma forma mais profunda. Essa atividade (teatro) lida com a complexidade do ser humano, e esse é um desafio que nunca se esgota. O dia que o palco não me desafiar mais, eu também não estarei mais nele", reforça.
Um conceito que é verdadeiro, garante, não apenas na profundidade, mas também no tempo. "Não sou de ficar me explicando. Busco razões, sim, mas não quero encontrar uma fórmula para mim ou para as coisas que faço. Enquanto eu estiver viva, tenho um caminho para trilhar."
Nem um pouco disposta a olhar com nostalgia para a própria trilha, Nathalia Timberg segue em frente. Na metade do ano, já deve iniciar os trabalhos em outra peça teatral, da qual ainda não pode dar detalhes. "Mas você pode dizer que já estou com a perspectiva de mais um mergulho, mais um encontro com a vida", diz ao repórter. "E, depois de dar o mergulho, é hora de compartilhá-lo com os outros."