Porto Alegre, sábado, 26 de setembro de 2020.
Dia Nacional dos Surdos.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 26 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Cinema

- Publicada em 19h54min, 27/02/2020. Atualizada em 16h10min, 29/02/2020.

'O homem invisível' faz releitura surpreendente do clássico de H.G. Wells

Interpretação de Elisabeth Moss, que vive a protagonista, é o principal mérito do thriller

Interpretação de Elisabeth Moss, que vive a protagonista, é o principal mérito do thriller


UNIVERSAL PICTURES/DIVULGAÇÃO/JC
Daniel Sanes
A primeira coisa a se fazer ao assistir O homem invisível é esquecer que ele é baseado no clássico livro de H.G. Wells, de 1897, e no filme homônimo de 1933. Porque, afora o tema "invisibilidade", a trama tem poucas semelhanças com essas obras.
A primeira coisa a se fazer ao assistir O homem invisível é esquecer que ele é baseado no clássico livro de H.G. Wells, de 1897, e no filme homônimo de 1933. Porque, afora o tema "invisibilidade", a trama tem poucas semelhanças com essas obras.
Ainda assim, ou justamente por isso, a adaptação de Leigh Whannell para a tela grande não decepciona. Conhecido por ser coautor da franquia Jogos mortais e, mais recentemente, por Upgrade, o diretor nos brinda com uma história conectada com a realidade de hoje, o que torna a história ainda mais assustadora.
A protagonista é uma mulher, Cecilia Kass (Elisabeth Moss, de The handmaid's tale), vítima de um relacionamento abusivo. Após fugir de casa, ela permanece sob trauma psicológico, e nem mesmo o suicídio do ex-namorado, o brilhante cientista Adrian Griffin (Oliver Jackson-Cohen), permite que ela siga sua vida em paz.
A grande sacada do filme é criar situações que, além de aterrorizantes, servem como paralelo para a vida real. Em seus momentos de desespero, Cecilia é tida como louca - julgamento muito comum nos casos de violência doméstica, em que a vítima é tratada com descaso, incredulidade e até deboche. Seu tormento (e a grande interpretação de Moss) faz com que a existência de um homem invisível pareça verossímil. A fotografia ajuda bastante, assim como a trilha sonora marcante, mas o mérito quase todo é da atriz.
Em sua parte final, talvez por tentar surpreender com uma reviravolta atrás da outra, o thriller acaba criando situações menos críveis e mais confusas. Ainda assim, O homem invisível cumpre bem o seu papel e atualiza o universo de monstros da Universal Pictures para os novos tempos com criatividade e uma história envolvente.
Comentários CORRIGIR TEXTO