Porto Alegre, terça-feira, 18 de fevereiro de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Patrimônio

12/02/2020 - 12h24min. Alterada em 12/02 às 12h29min

Peça rara de arte sacra missioneira é identificada em capela gaúcha

Busto de São Martinho de Tours, de mais de 200 anos, foi achada em capela de igreja em cidade gaúcha

Busto de São Martinho de Tours, de mais de 200 anos, foi achada em capela de igreja em cidade gaúcha


EDISON HUTTNER/DIVULGAÇÃO/JC
Uma peça produzida no período das missões jesuítas no Rio Grande do Sul foi identificada em uma capela no município de São Martinho da Serra, no Centro do Estado. Trata-se de um busto de São Martinho de Tours de mais de 200 anos.
Uma peça produzida no período das missões jesuítas no Rio Grande do Sul foi identificada em uma capela no município de São Martinho da Serra, no Centro do Estado. Trata-se de um busto de São Martinho de Tours de mais de 200 anos.
"Este pode ser considerado um exemplar único no Brasil deste modelo, no padrão da arte sacra missioneira jesuítico-guarani", afirma Edison Huttner, professor da Escola de Humanidades da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Pucrs), responsável pela descoberta.
Atualmente, existem outras quatro obras semelhantes: São Leão Magno e São Gregório Magno, que estão no Museu de Ciências Naturais de La Plata; e Santo Ambrósio e Santo Agostinho, que estão no Museu Jesuítico San Ignácio Mini, ambos na Argentina. Após um ano de estudos, Huttner viu na estátua características da arte sacra jesuíta, como barba, sobrancelha e cabelos no estilo barroco e túnica com relevo de arte de friso jesuítico-guarani.
A peça é composta de madeira policromada, posteriormente revestida de gesso e tinta. Há várias hipóteses para a origem da escultura. Ela pode ter sido trazida de Trindade, no Paraguai, onde estavam os bustos de São Gregório Magno e São Leão Magno, que apresentam o mesmo estilo e arte de confecção. 
Outra possibilidade é de que estaria em uma antiga capela de São Martinho, que ficava próxima à Redução de Yapejú, na Argentina. Também pode ter sido produzida em São Borja, onde o artista José Brasanelli tinha um ateliê entre 1696 e 1706.