Porto Alegre, sábado, 26 de setembro de 2020.
Dia Nacional dos Surdos.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 26 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

cinema

- Publicada em 03h00min, 07/02/2020.

Comédia dramática 'Jojo Rabbit' faz sátira ao nazismo

Diretor Taika Waititi interpreta Hitler, enquanto o ator mirim Roman Griffin Davis vive o personagem-título

Diretor Taika Waititi interpreta Hitler, enquanto o ator mirim Roman Griffin Davis vive o personagem-título


DISNEY/DIVULGAÇÃO/JC
Caroline Zatt da Silva
A comédia dramática de produção norte-americana Jojo Rabbit é escrita e dirigida pelo neozelandês Taika Waititi. O cineasta acumula entre seus multitalentos créditos como escritor, ator, pintor e comediante. Ele foi indicado ao Oscar de Melhor Curta-metragem em 2004 por Two cars, one night.
A comédia dramática de produção norte-americana Jojo Rabbit é escrita e dirigida pelo neozelandês Taika Waititi. O cineasta acumula entre seus multitalentos créditos como escritor, ator, pintor e comediante. Ele foi indicado ao Oscar de Melhor Curta-metragem em 2004 por Two cars, one night.
Inspirado no segundo livro de Christine Leunens, O céu que nos oprime (2004), sobre a Segunda Guerra Mundial, Waititi escreveu Jojo Rabbit, cujo personagem-título é um garoto de 10 anos. Interpretado pelo excelente ator inglês Roman Griffin Davis, o menino Johannes Betzler vive na Alemanha nazista durante a fase final do período, e mora sozinho com sua mãe, Rosie (Scarlett Johansson), em um grande casarão antigo.
O pai ausente está supostamente servindo na Frente Italiana, mas eles perderam todo o contato com ele. Boatos sobre deserção rondam a cidade. A irmã mais velha, Inge, adoeceu e morreu recentemente. Jojo só tem um amigo, o gordinho de óculos Yorki, com quem vai para uma espécie de acampamento de escoteiros nazista. O maior sonho do protagonista é integrar a Juventude Hitlerista. Para isso, ele conta com os (nem sempre bons) conselhos de seu amigo imaginário, uma versão infantil de Adolf Hitler (encarnado pelo próprio diretor).
O treinador do acampamento é o capitão Klenzendorf, numa atuação inspirada de Sam Rockwell. As coisas não dão certo na aventura, mas Jojo e o militar rebaixado seguem apoiando o nazismo. Em meio a essa sátira potente de um nacionalismo cego, Jojo se confronta com seu maior desafio nesta fábula. O pequeno alemão ariano descobre que sua mãe está escondendo uma garota judia no sótão. A partir desse ponto, ele começa uma investigação solitária sobre o povo que seu ídolo quer exterminar, a fim de escrever um livro. Neste momento, seus valores começam a ser questionados.
O belo filme faz lembrar de outras obras que contrapõem os aspectos lúdicos da infância com o autoritarismo de regimes ditatoriais, como A vida é bela (1997), O menino do pijama listrado (2008) e A menina que roubava livros (2014), em comparação bem-sucedida. Merecidamente, este título de Waititi já foi premiado e concorre ainda neste fim de semana a três Oscar: Melhor Filme, Melhor Atriz Coadjuvante (Scarlett Johansson) e Melhor Roteiro Adaptado.
O cineasta neozelandês já trabalhou em grandes produções (como ator, roteirista e diretor), entre elas, Lanterna Verde (2011), Moana: Um mar de aventuras (2016), Thor: Ragnarok (2017) e Vingadores: Ultimato (2019). No próximo longa de Thor, cujo subtítulo é Amor e trovão, ele assinará o roteiro e a direção, além de participar atuando.
Comentários CORRIGIR TEXTO